quarta-feira, 28 de junho de 2017

Circuito Museo Cuyano e Barrio Civico [Conheça Mendoza a Pé]

Desde 1967, o Museo Del Pasado Cuyano conta a história de Mendoza. O Barrio Cívico fica perto. Com a Casa de Gobierno e o Memorial de la Bandera del Ejército de los Andes. O roteiro fecha com o Terraza Jardin Mirador.

Terraza Jardin Mirador, Municipalidad de Mendoza (Vista do Terraço do Hotel Amérian)
Terraza Jardin Mirador, Municipalidad de Mendoza
(Vista do Terraço do Hotel Amérian)

O circuito tem 1,6km. São 20min de caminhada, conforme Google Maps. Registro o roteiro no mapa do Google e em um mapa turístico. São apenas referências para as distâncias entre os pontos de interesse...

Veja também...
Mendoza Além do Aconcágua e das Bodegas


Museo Del Pasado Cuyano
Cheguei ao museu 30min antes de ele fechar. Como não se pode fotografar no interior, aproveitei para carregar a bateria da câmera. Minha ideia era registrar as informações no papel. Mas não encontrei a caneta...

Museo Cuyano e Barrio Civico (Google Maps)
Museo Cuyano e Barrio Civico (Google Maps)

Ao deixar o museu, vi que a caneta ficou na sala onde carregava a bateria. Ao menos, anotei alguns dados. Sem desenhos ou esquemas... Assim, deixo a história de lado e registro curiosidades que reparei no acervo...


Breve Descritivo do Museo Cuyano
Na parte externa, há canhões e uma urna funerária indígena. No interior, você voltará e ver armas. Baionetas, espadas e lanças. Espingardas, fuzis e pistolas. O arsenal bélico constitui, enfim, boa parte do acervo.

Urna Funerária Indígena, Museo del Pasado Cuyano, Mendoza
Urna Funerária Indígena, Museo del Pasado Cuyano

Mas não serão as armas o que primeiro você verá ao entrar no museu. No fim do corredor, à esquerda, há uma capela. Com retábulo de madeira, imagens de Maria e Anjos. Além de quadros religiosos.

A capela é praticamente a única sala de conteúdo religioso. Nas demais, há dois ou três quadros de mulheres com véu negro sobre a cabeça. Presumo que retratassem viúvas. Ou seja, a referência religiosa é indireta.

Casa de Gobierno, Mendoza
Casa de Gobierno, Mendoza

A maioria das salas contempla um dos temas: 1) Peças bélico-militares; 2) Quadros de políticos ou 3) Retratos e móveis de aristocratas. Entre políticos e militares, identificamos diversos nomes de ruas de Mendoza...


Curiosidades do Museo Cuyano
Os retratos até 1825 são de militares. A partir de 1825, surgem os políticos. É curioso observar certos hábitos. Até 1850, os homens usavam costeletas. A partir daí, passam a usar bigode. E no fim do século XIX, barba.

Palacio de Justicia, Mendoza - Vista do Terraza Jardin Mirador
Palacio de Justicia de Mendoza
(Vista do Terraza Jardin Mirador)

Há curiosidades, também, sobre os retratos de aristocratas. São pinturas do fim do século XIX e início do XX. As mulheres mais velhas são gordas e usam joias. Já os homens são gordos e carecas.

Um contraste em relação às moças. Elas, em geral, são bonitas. Um indício de que estariam disponíveis para casar? Não podemos esquecer que são retratos com mais de um século. E de uma sociedade conservadora...

Memorial de la Bandera del Ejército de los Andes, Cidade de Mendoza
Memorial de la Bandera del Ejército de los Andes


Barrio Cívico e Terraza Jardín Mirador
Ao deixar o museu, siga pela Rua Montevidéu até a Avenida Mitre. Então, siga mais três quadras à direita. Pronto: você chegou ao Barrio Cívico. Destaque ao Memorial de la Bandera del Ejército de los Andes.

A travessia dos Andes completou duzentos anos em fevereiro de 2017. O Memorial abriga duas bandeiras, dos regimentos Chiloé e Talavera. San Martín tomou-as dos espanhóis, durante a Campanha Libertadora.

Casa de Gobierno de Mendoza - Vista do Terraço do Hotel Amérian
Casa de Gobierno de Mendoza
(Vista do Terraço do Hotel Amérian)

Em 1821, o General ofereceu os estandartes à cidade. Eles ficam em lados opostos do Memorial. Em redomas de vidro com controle de temperatura. É proibido fotografar ali. Dois soldados guarnecem o local.


Terraza Jardín Mirador
É claro, o Barrio Cívico tem outros atrativos. Como a Casa de Gobierno – em frente ao Memorial – e o Palacio de Justicia. Talvez seja mais interessante, porém, ver tais prédios do alto do Terraza Jardín Mirador, na Prefeitura.

Palacio de Justicia e Municipalidad de Mendoza - Vista do Terraço do Hotel Amérian
Palacio de Justicia e Municipalidad de Mendoza

Ao deixar o Memorial, siga pela Rua Virgen Del Carmen de Cuyo, à direita. Na 9 de Julio, a segunda rua, siga à direita. Pegue o elevador e suba um lance de escadas. Como o nome sugere, o mirante fica no terraço.

Placas indicam os pontos visíveis lá do alto. Como estava nublado, pouco se via. Os prédios mais próximos eram mais claros. Como a Casa de Gobierno e o Palacio de Justicia. Ao fundo, via-se o Parque San Martín.

Casa de Gobierno de Mendoza (Vista do Terraza Jardin Mirador)
Casa de Gobierno de Mendoza
(Vista do Terraza Jardin Mirador)

A guia disse que a cidade de Mendoza sofre cerca de 40 sismos ao dia. E a Plaza San Martín fica sobre uma área de falha geológica. No terremoto de 1881 a destruição foi maior na cidade de Mendoza e em Godoy Cruz.

15 comentários:

Leonardo Brocker disse...

+++ Mendoza e O Chile +++

Na época colonial, o Chile administrava a região de Cuyo.
E a relação com os chilenos se mantém amistosa na região.
Em 2002, o colapso político-econômico abateu a Argentina.
E as autoridades da província tiveram uma ótima ideia.
Encorajaram os chilenos a adorar Mendoza.
No caso, como destino no feriado de independência do Chile.
E hoje, o turismo complementa a receita que vem do vinho.

Fonte: Guia de Viagem: Argentina - National Geographic, 2010.

Leonardo Brocker disse...

+++ Mendoza e A Independência +++

A província teve papel-chave nas guerras de independência.
Em Mendoza, o general San Martín organizou um exército.
Este cruzou a Cordilheira dos Andes durante o verão.
E lutou pela independência do Chile.

Fonte: Guia de Viagem: Argentina - National Geographic, 2010.

Leonardo Brocker disse...

+++ A Cidade de Mendoza +++

Quase toda plana, esparrama-se por amplos vales.
Menos de 100 km a leste do trecho mais alto da Cordilheira dos Andes.
E da cidade, avistam-se os picos eternamente nevados.

O microcentro é menos compacto que o de cidades semelhantes.
Isso ocorreu na reconstrução de Mendoza, no fim do século XIX.
Na época, alargaram-se ruas, praças e avenidas.

Fonte: Argentina – Rough Guide, Publifolha, 2009.

Leonardo Brocker disse...

+++ Os Canais de Mendoza +++

Os canais correm junto ao meio-fio das calçadas.
Por eles, escoa a água que irriga a cidade.
Sobre os canais, há pequenas pontes.
Na verdade, uma laje para os pedestres passarem.

Fonte: Guia O Viajante – Argentina, Zizo Asnis, 2009.

Leonardo Brocker disse...

+++ Mendoza e O Vinho +++

Mendoza respira vinho!
É mais importante produtora da América do Sul.
A região concentra mais de 1.200 bodegas.
Estas produzem 11 milhões de hectolitros.
Quase 70% da produção vinícola argentina.
Em qualquer esquina, você depara com bares de vinhos.
Ou com lojas, adegas e vinícolas.

Fonte: Guia Primeira Viagem América do Sul, Abril, 2009.

Leonardo Brocker disse...

+++ O Clima de Mendoza +++

A cidade reúne características geográficas privilegiadas.
Está no deserto.
Há trechos com índice pluviométrico similar ao do Saara!
E a temperatura pode variar 20ºC entre o dia e a noite.
Além disso, Mendoza fica no sopé da Cordilheira dos Andes.
São condições ideais à fabricação de vinhos de qualidade.
E o cenário perfeito para escalada, rafting, trekking.

Fonte: Guia Primeira Viagem América do Sul, Abril, 2009.

Leonardo Brocker disse...

+++ Junta de Estudos Históricos de Mendoza +++

Em 1923, surgiu a Junta de Estudos Históricos de Mendoza.
Por iniciativa de um grupo de estudiosos mendocinos.
Onze anos mais tarde, reorganizou-se a instituição.
Desde então, a junta cumpriu com seu propósito original.
Ou seja, difundir as investigações da história mendocina.

Na sede, ocorrem conferências e cursos permanentes.
E anualmente publica-se a Revista da Junta.
Item que as mais importantes bibliotecas do país requerem.

Adaptado do panfleto do Museo Del Pasado Cuyano.

Leonardo Brocker disse...

+++ Museu do Passado Cuyano +++

A inauguração do museu ocorreu em 24 de maio de 1967.
No acervo, móveis, obras pictóricas, documentos e objetos.
A instituição busca tornar visível a história local.
E preservar os itens, frutos de aquisição ou doação.
Um valioso testemunho do passado para investigadores.
Do presente e das futuras gerações.

Adaptado do panfleto do Museo Del Pasado Cuyano.

Leonardo Brocker disse...

+++ A Biblioteca do Museu +++

A Junta de Estudos Históricos de Mendoza mantém a biblioteca.
A instituição reúne um acervo com mais de cinco mil volumes.
Além disso, possui uma valiosa hemeroteca.
E um arquivo de documentos de personalidades mendocinas.
O acervo está à disposição de leitores e investigadores.

Adaptado do panfleto do Museo Del Pasado Cuyano.

Leonardo Brocker disse...

+++ Recorrido Del Museo +++

01. Sala Geológica y Petróleo;
02. Sala Arqueológica;
03. Sala Religiosa;
04. Sala Cuyana;
05. Sala Cuyana;
06. Sala de Armas;
07. Unitarios y Federales;
08. Numismática y “Pancho Fierro”;
09. Vida Cotidiana;
10. Hispánica;
11. Gobernadores Civit;
12. Gobernadores S. XX;
13. Gobernadores S. XIX;
14. Sala Romántica;
15. Sala Sanmartiniana.

Adaptado do panfleto do Museo Del Pasado Cuyano.

Leonardo Brocker disse...

+++ Museo del Pasado Cuyano +++

Monumento Histórico Nacional, Decreto Nac. Nº 2282/70. Casona construida en el año 1873. Contiene una colección de documentos históricos y mobiliario de los siglos XIX y XX. Aquí también funciona la Junta de Estudios Históricos de Mendoza y su Biblioteca. Fue la casa de los gobernadores Francisco y Emilio Civit. En ella se alojaron personajes de la vida política del país como Julio A. Roca, Nicolás Avellaneda, Miguel Juárez Celman, Domingo Faustino Sarmiento y Pedro Mont, entre otros.

Adaptado do site Ciudad de Mendoza.

Leonardo Brocker disse...

+++ Terraza Jardin Mirador +++

Fica na cobertura, no 11º andar, do Palacio Municipal.
E recebe o nome do arquiteto Gerardo Américo Andía.
O jardim é repleto de jardins de flores.
E tem até telescópios para quem quiser ver mais longe.
Lá do alto, é possível avistar o centro e o norte da cidade.
E, quando o tempo está bom, as encostas dos Andes, a oeste.

Fonte: Guia de Viagem: Argentina - National Geographic, 2010.

Leonardo Brocker disse...

+++ Memorial de la Bandera del Ejército de los Andes +++

El Memorial consta de un espacio a cielo abierto en el que puede ser apreciada la llama votiva, una explanada con columnas lumínicas, una imponente escultura del artista local Roberto Rosas, que representa a un ángel con los brazos extendidos al cielo, y una fuente de agua.

El Memorial resguarda hoy en día la bandera original que portó el Ejército de los Andes en el cruce de la Cordillera y dos estandartes realistas recuperados por el Ejército libertador ganados en la batalla de Chacabuco, que el Padre de la Patria regaló al pueblo mendocino, pero recién fue retornada a nuestra Provincia después de casi 120 años.

Ubicación: Virgen del Carmen de Cuyo y Patricias Mendocinas, Ciudad. Frente a Casa de Gobierno de Mendoza.
Horarios: Martes a viernes de 9 a 14 hs.
Mail: memorial@mendoza.gov.ar
Entrada libre y gratuita.

Adaptado do Site Ciudad de Mendoza

Leonardo Brocker disse...

+++ Circuito Peatonal Paseo Barrio Cívico +++

Este circuito comienza en la calle 9 de Julio y Virgen del Carmen de Cuyo. Un guía irá informando sobre los predios que pertenecieron a la antigua Quinta Agronómica, dónde actualmente se encuentra: el Parque Ecológico, la Aduana, El Centro de Congresos y Exposiciones “Emilio Civit”, con su moderno auditorio “Ángel Bustelo”. Además se podrá disfrutar de los impactantes edificios del Palacio de Justicia y la Casa de Gobierno. El recorrido finaliza en las puertas del Memorial de la Bandera del Ejército de los Andes, brindando la opción de ingresar al atractivo.

Adaptado do Site Ciudad de Mendoza

Leonardo Brocker disse...

+++ Museo del Pasado Cuyano +++

Ubicado en Montevideo 544. Data de aproximadamente de 1875. Es probablemente el edificio más antiguo de la Ciudad Nueva que se conserva. Cuenta con una fachada con amplio patio rodeado por galerías. Planta en U inscripta en un cuadrado de planta simétrica. Fachadas moduladas por pilastras toscanas y aberturas con guardapolvos y rejas italianizantes. El tratamiento de fachadas y las columnas toscanas de las galerías evidencian la utilización de un lenguaje Neoclásico. Fue vivienda del gobernador Emilio Civit

Adaptado do site Ciudad de Mendoza.

Postar um comentário

 
Free Host | new york lasik surgery | cpa website design