segunda-feira, 24 de abril de 2017

Filmes de Média-metragem em Porto Alegre

Tem duração de 30 a 69 minutos. E uma maior abertura para a televisão. Encontrei alguns filmes de média metragem com locação em Porto Alegre. A maior parte é de documentários. Alguns com locações internacionais.

Celui Qui Aime a Raison (2006)
Celui Qui Aime a Raison (2006)

Documentário da diretora Marta Biavaschi.
Marta trabalhou como atriz em alguns filmes gaúchos:
+ “Deu pra Ti Anos 70” (1981);
+ “Inverno” (1983);
+ “Verdes Anos” (1984).

A Dança do Pensamento (2008), Marta Biavaschi
A Dança do Pensamento


Arroba (2008) 54 minutos
Também tem locações em Santa Maria.

Arroba (2008)
Arroba (2008)


Arte, Ordem e Caos (2008) 54 minutos
Documentário com participação do escritor Moacyr Scliar.

Arte, Ordem e Caos (2008)
Arte, Ordem e Caos (2008)


Celui Qui Aime a Raison (2006) 67 minutos
Também tem locações em Curitiba e São Paulo.

Celui Qui Aime a Raison, Arnold Pasquier
Celui Qui Aime a Raison


Mobility (1986) 37 minutos
Também tem locações em São Paulo.
E em Bangkok (Tailândia), Nairobi (Quênia), Trivandrum (Índia).


Transversais (2008) 54 minutos
Documentário com participação do filósofo Bernard-Henri Lévy.

Transversais (2008)
Transversais (2008)

16 comentários:

Leonardo Brocker disse...

+++ "A Dança do Pensamento" (2007) +++

Documentário de Marta Biavaschi.
Busca estabelecer uma linguagem entre as pessoas e o universo.
Dos mitos da criação do mundo à subjetividade das narrativas contemporâneas.

O filme faz parte de uma série de quatro documentários.
Idealizada no decorrer da primeira edição do Fronteiras do Pensamento.
Tendo como temática arte, cultura, mundo e pensamento.

Adaptado de Fronteiras.com

Leonardo Brocker disse...

+++ "A Dança do Pensamento" - Crítica +++

Existe, há tempo, um tipo de documentário investigativo.
Para não dizer de auto-ajuda.
Ele estabelece uma temática.
E procura trazer respostas às questões ali lançadas.
Quase sempre são perguntas em relação à origem do homem.
Das suas maneiras de comunicar-se.
Das relatividades que o cercam.
Em geral, há o apelo à opinião de especialistas.
Como cientistas, lingüistas, antropólogos, físicos.
Como se em todas as opiniões existissem respostas.
Para questões que sempre afligiram o ser humano.
Filmes como "Quem somos nós", "O segredo".
E, agora, o documentário brasileiro "A dança do pensamento".

Este é um filme de Marta Biavaschi.
Com depoimentos de pesquisadores reconhecidos.
Nacional ou internacionalmente.
Como a historiadora gaúcha Sandra Pesavanto.
Ou Jean-Pierre Lebrun

O documentário tem um objetivo.
Este é alcançar as fronteiras do pensamento humano.
Através e simplesmente pela força dos discursos.
De pessoas que fazem relatos em jargão científico.
Como explicação para um questionamento.
Que, ao final do documentário, não leva a lugar algum.
Seja na resposta ao que se queria.
Seja (e ai é que é ainda pior) imageticamente.

Há uma mistura de pensamentos místicos, míticos.
Científicos, leigos e especialistas.
Depoimentos no padrão bastante comum das talking heads.
Mas com falas entrecortadas por imagens de preenchimento.
E é exatamente isso que são.
Meros intuitos de se preencher um tempo.
No qual nada ocorre exatamente.
Por pouco existir de cinema ali.
O que há são falas oficiais.
Que poderiam estar em enciclopédias e livros científicos.
No cinema, esse interesse é mínimo.

É complicado tirar material fílmico em temática insípida e estéril.
E "A dança do pensamento" possui o mérito de ser um média-metragem.
Ao contrário de "Quem somos nós" e "O segredo".

Uma dançarina usa o corpo para uma dança mística de origem indiana.
O movimento, pela primeira vez em todo o filme, se elabora em cena.
Mesmo que seja entrecortada a todo instante por jump cuts aleatórios.
No momento final do filme, essa dança retorna à cena.
Respingos mínimos de cinema que imploram pela não-fragmentação.
Pela existência.
Mas que se vê esmagado por um todo totalmente desimportante.

Adaptado de Leonardo Amaral (Filmes Polvo)

Leonardo Brocker disse...

+++ "Arroba" (2008) +++

Diretor: Hique Montanari
Roteiro: Hique Montanari

Participação:
+ Camille Paglia;
+ Donaldo Schüler;
+ Grace Antolini;
+ Luc Ferry;
+ Mark Dery;
+ Peter Burke;
+ Pierre Lévy.

Sinopse:
Em um mundo feito de links e cruzamentos de referências culturais, quais são os limites reais do futuro?
Uma experiência visual sobre os portadores sociais da tecnologia em nossas relações culturais.

Adaptado de IMDB

Leonardo Brocker disse...

+++ "Arroba" - Fronteiras do Pensamento +++

Um documentário de Hique Montanari, produzido em 2007.
Faz uma reflexão sobre os efeitos da conectividade na vida humana.
A hostilidade do homem é colocada em pauta.
E associada à mudança da comunicação nos últimos anos.

O filme faz parte de uma série de quatro documentários.
Idealizada no decorrer da primeira edição do Fronteiras do Pensamento.
Ela tem como temática arte, cultura, mundo e pensamento.

Adaptado de Fronteiras do Pensamento.

Leonardo Brocker disse...

+++ O Documentário "Arroba", de Hique Montanari +++

Cultura mundial, fragmentação do pensamento, tecnologia.
Militarização, religião, multiculturalismo e virtualidade.
São os temas do documentário Arroba, dirigido por Hique Montanari.
Filme produzido pelo Fronteiras do Pensamento.

"Arroba" faz parte da série de quatro documentários.
Com 54 minutos cada, tem como temas arte, cultura, mundo e pensamento.
Reunem depoimentos de diversos intelectuais.
Que estiveram presentes na primeira edição do Fronteiras do Pensamento.

Adaptado de Fundação Piratini

Leonardo Brocker disse...

+++ "Celui qui Aime a Raison" (2006) +++

Filme francês com locações em:
+ Buenos Aires;
+ Curitiba;
+ Montevidéu;
+ Porto Alegre;
+ São Paulo.

Adaptado de IMDB.

Leonardo Brocker disse...

+++ "Celui qui Aime a Raison" +++

Diretor: Arnold Pasquier
Roteiro: Arnold Pasquier

Elenco:
Marcos Gallon;
Osmar Zampieri;
Walmir Pavam;
Danilo Rabelo;
Diogo Granato;
Fabio Cypriano.

Sinopese:
Marcos e Osmar vivem em São Paulo, Brasil.
Marcos reencontra Walmir.
Eo os três passam a viver juntos.
Um dia Walmir desaparece.
Sua ausência lança dois homens em uma busca sentimental.
Marcos faz experiências para se lembrar de Walmir.
Enquanto que Osmar parte para uma pesquisa.
Ele viaja de São Paulo para o Uruguai e a Argentina.
E finalmente, sua jornada termina na margem de um rio.
E cada um, a seu modo, dá uma resposta para a falta.

Adaptado de Écran Large

Leonardo Brocker disse...

+++ "Mobility" (1986) +++

Diretor: Roger Hart
Roteiro: Donald Brittain
Narrador: Donald Brittain
Produção: National Film Board of Canada

Sinopse:
Estudo de questões e soluções de transporte em áreas urbanas de países em desenvolvimento.

Adaptado de IMDB

Leonardo Brocker disse...

+++ "Mobility" (1986) +++

Este breve documentário examina uma complexidade de questões.
Que afetam o transporte urbano nos países em desenvolvimento.
O filme propõe soluções surpreendentes.
Após examinar o custo e a tecnologia disponível.
E as diferentes necessidades da classe média industrializada e dos pobres urbanos.

Adaptado de National Film Board of Canada

Leonardo Brocker disse...

+++ "Arte, Ordem e Caos" (2008) +++

Direção: Pedro Zimmermann
Roteiro: Pedro Lucas e Pedro Zimmermann

Participação:
Antoni Muntadas;
Åsne Seierstad;
Cibele Sastre;
Eduardo Severino;
Eva Schul;
Luciano Tavares;
Mauro Fuke;
Michel Houellebecq;
Michel Maffesoli;
Moacyr Scliar;
Mônica Dantas;
Peter Greenaway;
Vagner Cunha;
Viviane Lencina.

O processo de criação de uma forma de arte através dos olhos do criador.
Vários artistas falam sobre seu processo.
Como eles criam seus filmes, livros, conceitos.
Os limites entre pensamento e processo.
Entre o caos da concepção à ordem de um produto final.

Adaptado de IMDB

Leonardo Brocker disse...

+++ "Arte, Ordem e Caos" (2008) +++

Filme de Pedro Zimmermann, produzido de 2007.
Traz uma visão da relação entre arte e ciência.
Já que ambas buscam sistematizar o mundo.
E criam uma lógica exata ou emocional para o caos à nossa volta.
O filme investiga o processo de criação artística.
E o seu significado no mundo contemporâneo.

O filme faz parte de uma série de quatro documentários.
Foi idealizada no decorrer da primeira edição do Fronteiras do Pensamento.
E tem como temática arte, cultura, mundo e pensamento.

Adaptado de Fronteiras do Pensamento

Leonardo Brocker disse...

+++ “Arte, Ordem e Caos” +++

Pedro Zimmermann dirigiu o documentário “Arte, Ordem e Caos”.
Este defende que a arte e a ciência têm o objetivo de sistematizar o mundo.
E criar uma lógica para o caos.

O filme busca explicar o fenômeno por meio de entrevistas.
Com um artista plástico, um cineasta, um sociólogo, uma coreógrafa.
E escritores do Brasil e do exterior entre eles Moacyr Scliar.

“Arte, Ordem e Caos” foi premiado na “Mostra Bienal do Mercosul”.

Adaptado de TV Justiça.

Leonardo Brocker disse...

+++ "Transversais" (2008) +++

Diretor: Guilherme Castro
Roteiro: Guilherme Castro

Participantes:
Aletheia Message
Bernard-Henri Lévy
Carlos Alberto Montaner
Celso Lafer
Eliezer B. Morais
Fernando Gabeira
Guilherme Ibrahim Guerra
Guy Sorman
Immanuel Wallerstein
Jorge Castañeda
Luis Eduardo Carvalho
Luiz Fernando Ohara Li
Marcela Pinheiro Michel
Marione Pinheiro
Mendel Liberow
Michelangelo Bovero
Nelson Boeira
Nilsa Neiva dos Santos Machado
Patrick Dixon
Timothy Garton Ash

Diferentes formas de ver o mundo.
Os limites formados entre as diferenças sociais e culturais.
Religião, política e comportamento no dia a dia.
Através dos olhos de analistas políticos e indivíduos escolhidos.

Adaptado de IMDB.

Leonardo Brocker disse...

+++ "Transversais" (2008) +++

Grandes pensadores falam sobre as maiores questões da humanidade.
A cidade é o conjunto surpreendente e ocupado.
O forte desenvolvimento mistura no cotidiano das pessoas comuns.
A guerra.
O fundamentalismo.
O mercado.
A democracia.
O terrorismo.
A fé.
A política.
O mundo é o tema amplo e profundo que liga tudo.

Escrito por V2 Cinema em IMDB.

Leonardo Brocker disse...

+++ "Transversais" (2008) +++

Guilherme Castro produziu o documentário de em 2007.
O filme tem a cidade como um cenário surpreendente e movimentado.
E aborda os grandes temas da humanidade com um questionamento central.
O que move as pessoas comuns no mundo contemporâneo?

O filme faz parte da série de quatro documentários.
Esta foi idealizada no decorrer da primeira edição do Fronteiras do Pensamento.
E tem como temática arte, cultura, mundo e pensamento.

Adaptado de Fronteiras do Pensamento

Leonardo Brocker disse...

+++ "Transversais" - Crítica de Filmes Polvo +++

Como se apresenta pelo título...
O que vemos (ou lemos, ou escutamos) é uma metáfora de que o mundo.
Está envolvido em transversais, pessoas que se cruzam, causando, ou não, tensões.

Discutir a globalização tornou-se ideia recorrente.
Que por vezes se confunde com outros conceitos e teorias, completamente diferentes.
Como, por exemplo, estruturalismo, multiculturalismo.

Guilherme Castro aproveita o Foro Mundial em Porto Alegre.
E constrói seu documentário com depoimentos de personalidades que por ali estiveram.
Dentre elas, Fernando Gabeira: de todos, o mais conhecido.
Ao mesmo tempo, o diretor busca na cidade outros depoimentos.
De pessoas de diferentes religiões e culturas.
Como muçulmanos ou uma brasileira que vive nos EUA.
E que se estabelecera no ramo dos pet shops.

"Transversais" não é muito mais do que suas várias cabeças falantes.
Velho artifício do documentário televisivo.
Que poucas vezes é bem utilizado no cinema.
E que no caso de agora cai nas vetustas armadilhas.
Há irritantes, inúteis e fragmentadores jump cuts.
Artifícios que não fazem outra coisa senão impedir a construção de cenas.
O que vemos são imagens aleatórias, sem sentido ou dimensão.
Em que a montagem não é mais uma construção.
É um mero artefato cuja a função é de compilar e colar imagens.
Essas poderiam ser vistas em qualquer ordem que seja.
Fato que determina a ausência de um filme.
O mesmo que se vê em "A dança do pensamento".
Também um documentário gaúcho advindo da mesma produção.

Assistimos a uma pessoa que fala.
Dela, o corte nos remete ao trânsito de Porto Alegre.
Aos transeuntes que passam pelas ruas.
Aos monumentos.
Imagens recursivas que se repetem incessantemente.
Durante todo o documentário.
Mas que são vazias de sentido.
Que nada dizem.
E, pior que isso, mutilam o corpo em cena.
Aquele que detém a fala.
Mas que é impedido de se determinar na tela.
Em questão, a desimportância das imagens.
Muito mais grave do que esse ser um filme-tese.

Ao final, não existe sequer um discurso.
Seja político ou cinematográfico.
Esse se perde em meio a montagem.
Que opta sempre para a fuga para o nada.
Para o vazio da imagem da cidade.
O ônibus que passa e é capturado pela câmera.
Também poderia ser uma bicicleta, uma moto.
Como também um avião que passa no momento.
Pouco importa.
São imagens que estão ali com o único sentido de ilustrar falas.
E nem mesmo esse intuito ilustrativo se dá na tela.
Assim, o filme joga uma pá de cal sobre si mesmo, e jaz em cena.
E é preciso dizer, sem se debater muito.

Adaptado de Leonardo Amaral (Filmes Polvo)

Postar um comentário

 
Free Host | new york lasik surgery | cpa website design