domingo, 23 de abril de 2017

Filmes de Curta-metragem em Porto Alegre

São filmes com menos de trinta minutos. E procuram experimentar novas linguagens e descobrir talentos. Eles costumam envolver menores custos e equipes. E Porto Alegre já serviu como locação a dezenas de produções.

Ilha das Flores (1989), de Jorge Furtado
Ilha das Flores (1989), de Jorge Furtado
  
Mas os grandes cinemas não costumam as exibir. Assisti a “Ilha das Flores”, no colégio. Em uma aula de ecologia. Anos depois, acompanhei a exibição de curtas no Festival de Cinema de Gramado. Seguem alguns filmes...

Veja também...
Filmes de Média-metragem em Porto Alegre
Filmes de Longa-metragem em Porto Alegre
Locações de Filmes no Rio Grande do Sul


A Invenção da Infância (2000) 26 minutos
Também tem locações em Pernambuco e São Paulo.
Premiações no Festival de Cinema de Gramado:
+ Melhor Filme: Liliana Sulzbach;
+ Melhor Diretor: Liliana Sulzbach;
+ Melhor Roteiro: Liliana Sulzbach;
+ Prêmio Especial do Juri.

A Invenção da Infância (2000), Liliana Sulzbach
A Invenção da Infância (2000)



A Peste da Janice (2007) 15 minutos
Premiações no Festival de Cinema de Gramado:
+ Melhor Diretor: Rafael Figueiredo;
+ Melhor Fotografia: Alberto La Salvia;
+ Melhor Montagem: Fábio Lobanowsky.

A Peste da Janice (2007), Rafael Figueiredo
A Peste da Janice (2007)



A Princesa (2013) 20 minutos
Também tem locações em Cidreira (floresta e lago).


A Verdade às Vezes Mancha (2000) 18 minutos
Também tem locações em Barra do Ribeiro.


Cinco Naipes (2004) 25 minutos
Também tem locações em Balneário Pinhal e Cidreira.
Premiações no Festival de Cinema de Gramado:
+ Melhor Ator: Pedro Santos;
+ Melhor Atriz: Janaina Kremer;
+ Melhor Roteiro: Fabiano de Souza;
+ Melhor Montagem: Milton do Prado;
+ Prêmio Canal Brasil: “Cinco Naipes”


Cinza Silencioso (2014) 24 minutos
Também tem locações em Cidreira.


De Volta ao Quarto 666 (2008) 15 minutos
Premiações no Festival de Cinema de Gramado:
+ Melhor Filme: Gustavo Spolidoro.

De Volta ao Quarto 666 (2008), Gustavo Spolidoro
De Volta ao Quarto 666 (2008)



Diários Daltônicos (2014) 17 minutos
Também tem locações em Florianópolis.


Dois Filmes em Uma Noite (2000) 24 minutos
Prêmio Prawer APTC:
+ Melhor Profissional Gaúcho: Marcos Breda.


Ilha das Flores (1989) 13 minutos
O filme teve locações no Colégio Anchieta, em Porto Alegre.
E na Ilha das Flores e na Ilha dos Marinheiros.
Premiações no Festival de Cinema de Gramado:
+ Melhor Curta-Metragem Nacional: Jorge Furtado;
+ Melhor Curta do Júri Popular: Jorge Furtado;
+ Prêmio da Crítica: Jorge Furtado;
+ Melhor Roteiro de Curta-Metragem: Jorge Furtado;
+ Melhor Montagem de Curta-Metragem: Giba Assis Brasil;
+ Melhor Curta-Metragem Gaúcho: Jorge Furtado;
+ Melhor Diretor de Curta-Metragem Gaúcho: Jorge Furtado;
+ Melhor Roteiro de Curta-Metragem Gaúcho: Jorge Furtado;
+ Melhor Montagem de Curta-Metragem Gaúcho: Giba Assis Brasil.

Ilha das Flores (1989), Capa do filme
Ilha das Flores (1989)



Início do Fim (2005) 7 minutos
As filmagens ocorreram nas ruínas do Cinema Capitólio.
Premiações no Festival de Cinema de Gramado:
Melhor Filme 35 mm: de Gustavo Spolidoro;
Melhor Diretor: Gustavo Spolidoro;
Melhor Ator: Nilson Asp;
Melhor Direção de Arte: Luis Roque.



Kassandra (2013) 24 minutos
Também tem locações em São Leopoldo.
Premiações no Festival de Cinema de Gramado:
Melhor fotografia: Pablo Chasseraux.


Lobos (2012) 12 minutos
Também tem locações em Eldorado do Sul (cenas de rua).

Fernanda Carvalho Leite, em Lobos (2012)
Fernanda Carvalho Leite, em Lobos (2012)


Maresia (2009) 9 minutos
Também tem locações na Praia de Salinas, em Cidreira.


Messalina (2004) 14 minutos
Premiações no Festival de Cinema de Gramado:
Melhor Montagem: Tula Anagnostopoulos.

Messalina (2004)
Messalina (2004)


O Boxeador (2009) 11 minutos
Também tem locações em Canoas.


O Ninho (2016) 12 minutos
Também tem locações em Balneário Pinhal.


Outros (2000) 14 minutos           
Premiações no Festival de Cinema de Gramado:
Melhor Diretor: Gustavo Spolidoro;
Prêmio da Crítica: “Outros”;
Prêmio Especial do Juri: “Outros”.


Por Uma Noite Apenas (2009) 14 minutos
Também tem locações em Viamão.


Sargento Garcia (2000) 16 minutos
Adaptação de Obra de Caio Fernando Abreu.
Melhor Filme – Prefeitura Municipal de Gramado:
+ “Sargento Garcia”, de Tutti Gregianin.

Prêmio Prawer APTC - Melhor Profissional Gaúcho:
+ Marcos Breda, por “Sargento Garcia”.

Sargento Garcia (2000), Marcos Breda
Sargento Garcia (2000)


Um Aceno na Garoa (2007) 20 minutos
Premiações no Festival de Cinema de Gramado:
+ Melhor Ator: Marcelo de Paula;
+ Melhor Atriz: Renata de Lélis;
+ Melhor Direção de Arte: Eduardo Antunes;
+ Melhor Música: Geraldo Flach.


Vaga-lume (2002) 15 minutos
Premiações no Festival de Cinema de Gramado:
+ Melhor Atriz: Vanise Carneiro.

73 comentários:

Leonardo Brocker disse...

+++ A Invenção da Infância +++

Gênero: Documentário
Diretor: Liliana Sulzbach
Duração: 26 min
Ano: 2000
Formato: 16mm
País: Brasil
Local de Produção: RS
Cor: Colorido
Sinopse: Ser criança não significa ter infância.
Uma reflexão sobre o que é ser criança no mundo contemporâneo.

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ A Invenção da Infância: Ficha Técnica +++

Produção: Liliana Sulzbach, Mônica Schmiedt
Fotografia: Adrian Cooper, Alex Sernambi
Roteiro: Liliana Sulzbach
Edição: Ângela Pires
Som Direto: Mário (Porto Alegre), Valéria Ferro
Animação: Tadao Miaqui
Trilha original: Nico Nicolaiesvky
Edição de som: Luiz Adelmo
Narração: Kiko Ferraz
Assistente de Direção: Camilo Tavares, Rosi Badinelli
Assistente de Câmera: Cristiano Conceição, Francisco Ribeiro
Assistente de Produção: Alberto Pietro Bigatti
Assistente de edição: Alberto Pietro Bigatti, Henrique Montanari
Pesquisa: Amabile Rocha
Mixagem: Luiz Adelmo
Eletricista: Wagner Gonçalves
Música: Nico Nicolaiewsky
Motorista: Jorge Pinheiro (Bahia), Wagner Machado (São Paulo)
Assistência de Trucagem: Rafael (Sapo)
Material Gráfico: Flávio Wild, Macchina Desenho de Imagem & Som

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ A Invenção da Infância: Prêmios +++

Melhor Curta no Images du Noveau Monde Quebec em 2001
Melhor Curta no Short Shorts International film Festival Tokio em 2002
Melhor Diretor no Festival de Cinema do Recife em 2001
Melhor Diretor - 16mm no Festival de Gramado em 2000
Melhor Filme no Festival de Cinema do Recife em 2001
Melhor Filme no Festival de Gramado em 2000
Melhor Filme - Júri Popular no Festival de Bilbao em 2000
Melhor Filme - Júri Popular no Festival de Tiradentes em 2000
Melhor Filme - Júri Popular no Mostra de 16mm de Itaguatinga em 2001
Melhor Filme Latino Americano e Caribenho no Festival de Bilbao em 2000
Melhor Filme Média Metragem no Grande Premio Cinema Brasil em 2001
Melhor Montagem no Festival de Cinema do Recife em 2001
Melhor Roteiro no Festival de Cinema do Recife em 2001
Melhor Roteiro no Festival de Gramado em 2000

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ A Invenção da Infância: Festivais +++

Festival de Gramado (2000)
Festival de Cinema do Recife (2001)
Festival de Bilbao (2000)
Festival de Tiradentes (2000)
Grande Premio Cinema Brasil (2001)
Festival de Curtas de São Paulo (2000)
Images du Noveau Monde Quebec (2001)
Mostra de 16mm de Itaguatinga (2001)
Short Shorts International film Festival Tokio (2002)

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ A Invenção da Infância: Aplicabilidades Pedagógicas +++

Disciplinas/Temas transversais: Cidadania, Ciências Sociais, Geografia, História, Língua Portuguesa, Pedagogia, Psicologia
Faixa Etária: a partir de 14 anos, de 10 a 14 anos, de 14 a 18 anos, acima de 18 anos
Nível de Ensino: Ensino Médio, Ensino Fundamental I, Ensino Fundamental II, Formação de Educadores, Superior

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ A INVENÇÃO DA INFÂNCIA +++

O filme “A invenção da infância” é um curta-metragem.
Com direção de Liliana Sulzback, também responsável pelo roteiro.
E, ao lado de Mônica Schmiedt, pela produção executiva.
Recebeu 15 prêmios no Brasil e exterior.
Segue um estilo de documentário e contempla diversos depoimentos.
O intuito é retratar um desequilíbrio.
Que abala o conceito de infância em diferentes âmbitos, no mesmo país.

Pressupõe que a idéia de infância nem sempre se fez presente na cultura.
E que surgiu para demarcar uma época tranqüila, perfeita e protegida.
Que se diferenciava da vida adulta.
O filme revela que a realidade atual não condiz com tal contexto.

Denuncia grandes diferenças sociais.
E apresenta as realidades distintas em que as crianças se inserem.
Em famílias de baixo poder aquisitivo, o índice de mortalidade infantil é alto.
As crianças que sobrevivem, trabalham para obter recursos para subsistência.
Então, vemos as famílias com melhores condições financeiras.
E crianças que preenchem o tempo com atividades mais referidas aos ideais sociais.

A invenção da infância se dá na Modernidade.
Sulzback situa a primeira realidade em uma dimensão temporal Pré-moderna.
Não há diferenciação dos encargos adultos e infantis.
A morte de crianças parece não causar tanto impacto.
Nesse “salve-se quem puder”, crianças e adultos devem ir em busca de sustento.
A segunda realidade ela refere como Pós-moderna.

Algumas crianças precisam comprometer-se com o trabalho.
E expoem-se a riscos e perigos de algumas atividades.
Outras comprometem-se com atividades diversas, designadas pelos adultos.
São duas faces da mesma moeda.
Pois ambas devem-se responsabilizar pelos seus atos, assim como adultos.

O filme encerra com a frase “Ser criança não significa ter infância”.
Ela remete-nos a pensar.
Aquela época ideal, feliz, isenta de obrigações é cada vez mais utópica.

Adaptado de Evelise J. Vincensi e Juliana C. Cerutti
Acadêmicas do 8º semestre de Psicologia da Unijuí

Leonardo Brocker disse...

+++ A Peste da Janice +++

Dirigido por: Rafael Figueiredo

Elenco de "A Peste da Janice"
Micaela Rocha: Janice
Yarsin Tedesco: Virgínia

A história de Janice e Virginia.
Duas meninas de 8 anos.
No começo de um novo ano escolar.
Janice é filha da faxineira da escola.
E é vítima do preconceito de todas meninas.
Menos de Virginia.
Com ela começa a esboçar um relacionamento.
Virginia concilia a relação com a turma.
E a amizade secreta com Janice.
Mas se vê envolvida nas brincadeiras cruéis da turma com Janice.
E tem de tomar partido.
Deve deixar claro, afinal, de que lado está.

Fonte: Filmow

Leonardo Brocker disse...

+++ Ficha Técnica de "A Peste da Janice" +++

País de origem: Brasil
Duração : 14'51''
Direção: Rafael Figueiredo
Roteiro: Cristina Gomes
Produtoras: Cíntia Helena Rodrigues, Sabrina Campanella.
Elenco: Micaela Rocha, Yarsi Tedesco, Fernanda Maurici, Gabriela Ialonovski, Juliana Borges Rocha

Fonte: Curta 1 Curta

Leonardo Brocker disse...

+++ Sinopse de "A Peste da Janice" +++

O curta aborda o bullying em uma sala de aula.
A filha da faxineira é discriminada pelas colegas.
Elas inventam uma "peste" para mantê-la afastada do grupo.
Menos Virginia, com quem Janice começa a esboçar uma amizade.

Premiado nos festivais de Gramado, Rio de Janeiro e Huelva, na Espanha.

Fonte: Curta 1 Curta

Leonardo Brocker disse...

+++ A Peste da Janice - Revista Moviola +++

O universo do filme lembra um pouco o "Tori".
Filme de Andréa Midori Simão e Quelany Vicente.
Vencedor do grande prêmio do ano passado.
Mas onde "Tori" brilha, "A Peste de Janice" peca.

A história é batida...
Yma menina que se sente isolada na sua escola.
Debochada pelas outras e afastada das brincadeiras.
No caso, suas colegas inventam uma “peste”.
Desculpa para correrem e se tocarem “passando a peste adiante”.

Há as atuações pouco sinceras das crianças.
O que era de se esperar e, ainda, passa sem problemas.
E as atuações forçadas dos adultos.
Que, ao contrário, saltam aos olhos.

A história se desenvolve de maneira óbvia.
E segue todo o manual de clichês do gênero.
Um deles talvez até venha do livro (ou conto?) adaptado pelo filme.
Se inicia em um momento que só retornará mais tarde.
Depois de ter explicado tudo que parecia estranho lá no começo.
Uma pena o cinema de ficção de curta-metragem ousar tão pouco.
Com uma geração de cineastas que tem a chance de fazer quantos filmes quiser.
Em digital, claro.

Adaptado de Fernando Secco (Revista Moviola)

Leonardo Brocker disse...

+++ Análise de 'A Peste de Janice' +++

"A Peste de Janice" toma todas as saídas mais fáceis.
O filme de Rafael Figueiredo nunca passa da superfície.
Clássico ao extremo, cheio de um sentimento de época.
E de um piano que insiste em alardear uma emoção.
Que as imagens por si são incapazes de oferecer.

Os tipos estão lá, do jeito de sempre.
Janice é uma menina mais desengonçada,
Não se veste ou se cuida como as amigas de colégio.
É alvejada por todo tipo de escárnio.
Todos eles ligados a sua condição social inferior.

Nenhum problema em recorrer a essa tipificação.
Não fosse o fato dessa muleta dramática existir como um valor por si.
O que transforma o filme num tipo de melodrama desajeitado.
E um comentário social ineficaz.

Rejeição e aceitação, inveja e crueldade.
A figura coitadinha de Janice contra a arrogância patente das amiguinhas.
Superfícies, superfícies...

Não deixa de ser curioso que a atual trama de Malhação tenha o mesmo drama.
Menina pobre, filha da empregada da escola, luta para conseguir seu espaço.
Em num ambiente de patricinhas estúpidas.
Até finalmente provar que seu coração é valioso.
E atrair a atenção de todas as pessoas que são "boas de espírito" como ela.

Adaptado de Rodrigo de Oliveira (Gazeta Online)

Leonardo Brocker disse...

+++ A Peste da Janice – O Oposto do que se Espera +++

Todo mundo já sofreu, já praticou ou já viu alguém sofrer bullying.
A discussão sobre o tema tem tido grande repercussão na mídia.
E a gente se comove de certa forma com as histórias contadas.
Assim como "A Peste da Janice" mexeu comigo em todas as vezes que vi.

Trata-se, na verdade, de um curta-metragem, de 15 minutos.
O diretor Rafael Figueiredo traz retrato e reflexão.
Sobre a condição de uma menina vítima em sua escola.
A produção se arma no clichê narrativo do “opressor x oprimido”.
Ela se baseia no conto homônimo de Luis Augusto Fischer.

Janice, uma garota pobre, é alvo de piada e desprezo no colégio.
As colegas de sala ridiculamente “brincam”.
E passam o que chamam de “a peste da Janice”.
Sempre que a menina tenta se aproximar de alguém.
Fora da escola, Janice consegue contato com Virgínia.
A colega se vê pressionada a assumir publicamente a amizade.
A boa notícia é que esse discurso chavão não vence a história.

O roteiro guia a história para um final com o discurso:
“Neste exato momento, todas as meninas esperam que Virgínia termine o que acabou de começar.
Janice também espera.
O que quase todas esperam é exatamente o oposto do que Janice espera”.
Apenas inquieta o espectador.
Ou deveria.

Adaptado de Andrea Castro (Desembuxa)

Leonardo Brocker disse...

A Peste da Janice: Um curta que Contagia pela Bela Mensagem

Comovente curta-metragem, com direção Rafael Figueiredo.
E roteiro de Cristina Gomes, inspirado em conto de Luis Augusto Fischer.
Trata da história muito comum nas escolas e no cotidiano.
Mas que tal corrente do mal é rompida por conta da amizade de Virgínia.

Janice é filha da servente da escola.
E é ridicularizada como portadora de uma peste.
Basta tocar para se contaminar.

O que contagia é a solidariedade.
Quando rompe com tais tipos de correntes como o bullying.
O que faz o bullying prosperar é a omissão ou a sua reprodução.
Um belo vídeo para refletir e debater sobre tais questões no ambiente escolar.

Adaptado de José Antonio Klaes Roig (Educa-tube)

Leonardo Brocker disse...

+++ A Peste da Janice +++

Duração: 15 min
Ano: 2007
Formato: 35mm
País: Brasil
Gênero: Ficção
Subgênero: Drama, Infanto-juvenil
Diretor: Rafael Figueiredo
Elenco: Fernanda Maurici, Gabriela Iablonovski, Juliana Borges Rocha, Micaela Rocha, Yarsin Tedesco
Cor: Colorido

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ A Peste da Janice: Prêmios +++

Melhor direção no Festival de Gramado - Mostra Gaúcha em 2007
Melhor Fotografia no Festival de Gramado - Mostra Gaúcha em 2007
Melhor Montagem no Festival de Gramado - Mostra Gaúcha em 2007
Menção especial no Festival de Cine Iberoamericano de Huelva em 2007
Menção Honrosa ABD&C no Curta Cinema em 2007
Prêmio Porta Curtas no Curta Cinema em 2007

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ A Peste da Janice: Festivais +++

Cine PE (2007)
Festival de Biarritz (2007)
Jornada Internacional de Cinema da Bahia (2007)
Curta Cinema - Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro (2007)
Festival do Paraná de Cinema Brasileiro e Latino (2007)
Festival de Cine Iberoamericano de Huelva (2007)

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ A Peste da Janice: Aplicabilidades Pedagógicas +++

Disciplinas/Temas transversais: Língua Portuguesa, Sociologia
Faixa Etária: Todas as idades
Nível de Ensino: Ensino Fundamental I, Ensino Fundamental II, Formação de Educadores

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ A Peste da Janice: Análise de Personagens +++

JANICE
Janice é a garota nova na escola.
Filha da faxineira, encontra dificuldade de inserir-se no grupo.
Veste-se com roupas maiores do que o seu tamanho.
O sapato não é tão lustrado como o das outras garotas.
E, seus ombros, sempre caídos.

Tenta fazer amizade com uma garota, a Virgínia.
A sinopse diz que ela também é nova na escola.
Mas ficou um pouco confuso no filme.
Quando termina a aula, Janice aguarda para ir embora.
Não apareceu no filme.
Mas dá para perceber que ela fazia isso.
Para não ser agredida psicologicamente, também, lá fora.

CRÍTICA
Janice possui um ar de coitadinha, vítima, inferior...
O diretor realça a condição econômica inferior.
De maneira a vitimá-la.

Tudo bem, o curta é melodramático.
Não poderia ser diferente.
Mas um aluno novo encontra dificuldade de inserir-se no grupo.
E também, pode ser alvo de bullying.
Seja ele rico, pobre, feio, bonito, tímido ou não.

A condição financeira seria um motivo para Janice ser zoada.
Ao menos para aqueles que pensam como um autor de bullying.
No caso, Janice foi alvo de uma agressão psicológica.
De uma “Brincadeira” que faz chorar.
Pois, repetidamente, inventaram para ela um boato.
Que se tornou uma “brincadeirinha” entre as meninas do colégio.

Adaptado de Carolina Giannoni Camargo (Bully: No Bullying)

Leonardo Brocker disse...

+++ A Peste da Janice: Análise de Personagens +++

MÃE
A mãe da Janice á a faxineira da escola.
Por direito, possui uma vaga para a filha única estudar.
Trabalha no intervalo, na entrada e na saída da menina.
Ou seja, está presente nos mesmos espaços que a filha.
Às vezes até, no mesmo momento.
Janice pede para aguardar na escola o término do trabalho da mãe.
A mãe diz que não.
Pois, Janice tem que jantar, fazer dever de casa, se encontrar com a avó.
“Não é não, Janice!”, diz a mãe.

CRÍTICA
A mãe de Janice desconhece o que é o bullying.
Não fica atenta as pistas.
Pais e mães nem imaginam que os filhos possam dar indícios de bullying.
Por isso, é essencial para a diminuição dos casos:
+ buscar informações sobre o que é o bullying;
+ como identificá-lo;
+ como preveni-lo e combatê-lo.

Além disso, que negócio é esse de "não é não"?
O "não" é muito importante na formação dos filhos.
Resume o limite na educação deles.
Mas, antes de dizer não, deve-se atentar ao pedido dos filhos.

Daria uma abertura para que a Janice pudesse cofiar na mãe.
E, talvez, contar como se sente e o que está acontecendo.

Menos de 5% dos alvos de bullying contam que estão sofrendo.

Adaptado de Carolina Giannoni Camargo (Bully: No Bullying)

Leonardo Brocker disse...

+++ A Peste da Janice: Análise de Personagens +++

VIRGÍNIA
Ela é a outra garota nova na escola.
O filme mostra que ela se veste melhor.
Usa os sapatos iguais aos das outras meninas.
Faz amizades com a turma.
Também aparenta ser tímida, assim como Janice.
É doce e gosta da Janice.
E conversa com ela somente quando não está na escola.

CRÍTICA
O fato da Janice ser alvo de bullying é pela condição social.
O curta mostra algo que não gostei.
Parece que só pessoas de classe inferior sofrem bullying na nova escola.
Isso porque ambas eram novas e tímidas.
Mas uma se vestia melhor e não era a filha da faxineira.
Esta, a Virgínia, consegue um entrosamento rápido com a turma.
E nem sempre é assim, mesmo tendo condições melhores.
A aceitação de Virgínia não deveria ser tão pacífica assim.
Ao menos, para mostrar mais a realidade.
Virginia fica dividida.
Entre a amiga que gosta, Janice, e a turma da escola.
Pensa como uma espectadora de bullying.
“É melhor eu me unir aos autores do que me tornar o próximo alvo”.
Parece esperto este pensamento.
Mas não contribui para que o caso acabe.
E ela sofre por ficar dividida.
E achar que não pode fazer nada para ajudar a amiga.

Adaptado de Carolina Giannoni Camargo (Bully: No Bullying)

Leonardo Brocker disse...

+++ A Peste da Janice: Análise de Personagens +++

PROFESSORA
A professora não percebe que o bullying acontece na sala de aula.
Dá mais importância para as questões de etiqueta (“superficiais”).
Do que para as questões morais.
Não demonstra nenhuma intervenção para conter o bullying.
Mesmo quando tem oportunidade.
O filme não apresenta solução para o caso.

CRÍTICA
Começo por um dado intrigante...
Pesquisas indicam que o local onde o bullying mais acontece é a sala de aula.
Com a presença da professora.

Neste caso, o filme retrata o comportamento da maioria dos professores.
A professora teve a oportunidade de mediar uma situação de conflito.
Quando a autora é pega jogando bolinha de papel na Janice.
E a professora, não deu a mínima para o sentimento de Janice.
Para as questões morais ali envolvidas.
Como respeito ao próximo, conhecer o outro, refletir sobre suas ações.
Preocupou-se em chamar a atenção pelo comportamento disciplinar.
Disse “Isso é jeito de menina se comportar?”.
“Ninguém gosta de menina que não estuda!”

O que as garotas fizeram com o discurso da professora?
Seguraram o riso.
Aquilo não acrescentou em nada na vida delas como alunas e cidadãs!
Infelizmente, essa é a postura da maior parte dos professores.
Afinal, classe boa é aquela que não dá um piu, não é?

Adaptado de Carolina Giannoni Camargo (Bully: No Bullying)

Leonardo Brocker disse...

+++ A Peste da Janice: Análise de Personagens +++

MARINA
Autora de bullying típica.
A líder da turma.
Falante, gosta de chamar a atenção.
Não reflete sobre suas ações e nem o sentimento alheio.
Inventa que quem encostasse na Janice pegaria a peste dela.
Referia-se à sujeira.
Pois tiravam sarro da mãe dela que era faxineira da escola.
O boato acaba por virar uma “brincadeira” de mau gosto.
E, mais cedo do que se imagina, vira agressão psicológica à Janice.

CRÍTICA
Marina é aquela “sem noção”, sabe?
E sai por aí rindo, zoando, agredindo as pessoas sem se importar.
ou melhor, sem pensar que pode magoar, ferir e até mesmo matar alguém.
Matar? É. Matar sim, em casos extremos o bullying mata.

A professora não soube trabalhar com o bullying em sala de aula.
E Marina, continuou com as agressões.
As conseqüências para Janice são muitas.
Mas para Marina, assim como para todos os autores de bullying, também são.

Adaptado de Carolina Giannoni Camargo (Bully: No Bullying)

Leonardo Brocker disse...

+++ A Princesa (2013) +++

Curta-metragem, 20'00''
Direção: Rafael Duarte & Taísa Ennes Maques
Drama

Do alto de sua torre, a Princesa se arruma para o baile à meia-noite.
Ela vai se perdendo mais e mais em devaneios de liberdade.
A cada uma das exaustivas rotinas de beleza...

Fonte: Machina Filmes

Leonardo Brocker disse...

+++ A Princesa: Prêmios +++

Aline Jones - Prêmio Assembleia Legislativa de Melhor Atriz -
Festival de Cinema de Gramado 2013
Prêmio do Júri de Melhor Curta Nacional - Fantaspoa 2014
Menção Honrosa - Festival de Cinema de Lapacho (Argentina)
2º Lugar - Short Cup World Film Festival 2014

Fonte: Machina Filmes

Leonardo Brocker disse...

+++ A Princesa 2013 - Fimow +++

O curta trata da ansiedade de uma jovem.
Em estar esteticamente perfeita num mundo real, urbanizado.
Ela esconde seus defeitos.
Não importando quanta dor possa custar.
Enquanto suas ações dialogam com seu desejo de liberdade.
Em um mundo de beleza fantástica e natural, mas irreal.

A estética do filme remete diretamente aos contos de fada clássicos.
Rapunzel, Cinderela, Chapeuzinho Vermelho, etc.
E isso é facilmente identificado nas cenas.

No entanto, o curta tem um ar de obra-prima.
Por toda a composição da fotografia, que é esplendorosa.
Dos efeitos visuais - sem comparação com outras produções nacionais.
Uma pós-produção extremamente eficiente.
Além de uma magnífica trilha sonora, composta pelo próprio Rafael.
Que bebeu diretamente na fonte de Vangelis em Blade Runner.

O curta não tem falas.
E apresenta a belíssima atriz Aline Jones como a Princesa.
Papel que lhe rendeu o prêmio de Melhor Atriz em Gramado.
Sua beleza e talento, me levam a compará-la com Jennifer Lawrence.

O filme arrebata com um final dilacerante.
Apesar de ser perfeito tecnicamente, a obra é pura emoção.

Adaptado de Filmow.

Leonardo Brocker disse...

+++ A Verdade às Vezes Mancha +++

Gênero: Experimental
Diretor: André Arieta
Elenco: Gentílio Modernel, Marco Beck
Duração: 18 min
Ano: 2000
Formato: 16mm
País: Brasil
Cor: Colorido
Sinopse:
A história do Brasil em ambiente onírico.
Os sonhos do patrão e do empregado divididos pela porteira de uma fazenda.

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ Cinco Naipes +++

Gênero: Ficção
Subgênero: Drama
Diretor: Fabiano de Souza
Elenco: Corel Monteiro, Janaína Kremer, Pedro Santos, Rafael Kerber
Duração: 24 min Ano: 2004 Formato: 35mm
País: Brasil Local de Produção:
Cor: P&B
Sinopse: Sexo, Mentiras e Cartas. Cinco personagens perdidos entre o desejo e os papéis familiares. Cinco Naipes jogados em um labirinto de paixões.

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ Cinco Naipes: Ficha Técnica +++

Produção: Camila Groch
Fotografia: André Luís da Cunha
Roteiro: Fabiano de Souza
Som Direto: Milton do Prado
Direção de Arte: Adriana Borba
Empresa(s) produtora(s): Clube Silêncio
Produção Executiva: Débrora Peters
Montagem: Milton do Prado
Música: Arthur de Faria

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ Cinco Naipes: Prêmios +++

Melhor Ator no Festival de Gramado em 2005
Melhor Atriz no Festival de Gramado - Mostra Gaúcha em 2005
Melhor direção no Jornada da Bahia em 2005
Melhor Direção de Arte no Cine PE em 2005
Melhor Direção de Arte no CINEPE em 2005
Melhor Direção de Arte no Santa Maria Vídeo e Cinema em 2005
Melhor Fotografia no Jornada da Bahia em 2005
Melhor Média-Metragem no Festival de Cinema e Vídeo de Cuiabá em 2005
Melhor Montagem no Festival de Gramado em 2005
Melhor Montagem no Jornada da Bahia em 2005
Melhor Roteiro no CINEPE em 2005
Melhor Roteiro no Festival de Gramado em 2005
Melhor Roteiro no Festival de Gramado - Mostra Gaúcha em 2005
Melhor Roteiro no Santa Maria Vídeo e Cinema em 2005
Melhor Trilha Sonora Original no Santa Maria Vídeo e Cinema em 2005

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ "Cinza Silencioso" +++

Diretor: Daniel Castilhos
Roteiro: Daniel Castilhos
Elenco: Anita Dall Moro (Victoria), Diogo Medtler (Charles).

Victoria perde o filho e o marido em um acidente.
E decide refugiar-se em sua casa na praia.
Pra isolar-se da família e dos amigos.

Pede a Charles que a leve para casa na praia.
Charles é filho de Peter, seu melhor amigo.

Mas esta viagem faz Victoria voltar no tempo.
E reaviver uma antiga paixão por Peter.
Que tem em Charles sua semelhança idêntica...

Adaptado de IMDB

Leonardo Brocker disse...

+++ "De Volta Ao Quarto 666" +++

Gênero: Documentário
Diretor: Gustavo Spolidoro
Elenco: Wim Wenders
Duração: 15 min Ano: 2008 Formato: Vídeo
País: Brasil Local de Produção: RS
Cor: Colorido
Sinopse:
Qual o futuro do cinema?
Em 1982, em Cannes, Wim Wenders convidou diversos cineastas a responderem a pergunta.
26 anos depois, a pergunta continua a mesma.
Mas Wenders está do outro lado da câmera.

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ De Volta Ao Quarto 666: Ficha Técnica +++

Produção: Davi de Oliveira Pinheiro, Letícia de Cássia
Fotografia: Eduardo Rabin
Roteiro: Alfredo Barros, Gustavo Spolidoro
Som Direto: Leandro Lefa
Empresa(s) produtora(s): V2 Cinema
Direção de produção: Kátia Samara
Assistente de Direção: Vicente Moreno
Assistente de Câmera: Lucifer
Still: Lucifer
Montagem: Alfredo Barros
Making Of: Lucifer
Desenho de Som: Leo Bracht

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ De Volta Ao Quarto 666: Prêmios +++

Melhor Curta Documentário no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro em 2010
Melhor Documentário no Curta Cinema - Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro em 2009
Melhor Filme no Mostra Gaúcha do Festival de Gramado em 2009
Melhor Vídeo pelo Júri Popular no Curta-se - Festival Luso-Brasileiro de Curtas Metragens de Sergipe em 2009
Menção Honrosa no Curta-se - Festival Luso-Brasileiro de Curtas Metragens de Sergipe em 2009
Menção Honrosa no Mostra Londrina de Cinema em 2009
Menção Honrosa - Júri Jovem no Curta Cinema - Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro em 2009
Prêmio RTP2 Onda Curta no Curta Cinema - Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro em 2009

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ "Diários Daltônicos" +++

Diretor: Patrícia Monegatto
Duração: 17 min
Ano: 2013
Formato: Digital
País: Brasil

O documentário retrata cinco personagens.
Eles descrevem, como num diário, olhares daltônicos a respeito de um mundo colorido.​


Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

Diários Daltônicos - Comentários do CINEVITOR

Você não escuta falar sobre daltonismo todos os dias.
É um tema pouco explorado, inclusive no cinema.
Talvez isso explique a falta de informação das pessoas em relação ao assunto.
E não vai ser neste documentário que você vai aprender tudo sobre daltonismo.
Também não era essa a intenção.

No curta, daltônicos contam histórias, algumas bem divertidas.
Situações que já enfrentaram por enxergarem o mundo de uma maneira diferente.
“Eu sou daltônico, não sou cego”, diz um dos entrevistados.
E é em clima de descontração que a diretora nos apresenta o filme.
Este vai além de histórias bem roteirizadas.

Você assiste como se fosse um daltônico.
Pois as cores utilizadas nos mostram como eles realmente enxergam.
Fazer o espectador ter o mesmo sentimento do personagem é possível numa obra de não-ficção.

"Diários Daltônicos" é cativante.
E nos mostra que num mundo onde as cores nem sempre estão no lugar de costume, é possível enxergar tudo colorido.

Leonardo Brocker disse...

+++ "Dois Filmes em Uma Noite" +++

Gênero: Ficção
Diretor: Fabiano de Souza
Elenco: Luciene Adami, Marcos Breda, Nelson Diniz
Duração: 23 min
Ano: 2000
Formato: 16mm
País: Brasil
Local de Produção: RS
Cor: Colorido

Sinopse: A partir da realização de um filme, três personagens se deparam com sentimentos esquecidos.

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ Ilha das Flores +++

Gênero: Documentário, Experimental
Subgênero: Drama
Diretor: Jorge Furtado
Elenco: Ciça Reckziegel
Duração: 13 min
Ano: 1989
Formato: 35mm
País: Brasil
Local de Produção: RS
Cor: Colorido
Sinopse:
Um ácido e divertido retrato da mecânica da sociedade de consumo.
Acompanha a trajetória de um simples tomate.
Desde a plantação até ser jogado fora.
O curta escancara o processo de geração de riqueza.
E as desigualdades que surgem no meio do caminho.

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ Ilha das Flores: Ficha Técnica +++

Produção: Giba Assis Brasil, Mônica Schmiedt, Nôra Gulart
Fotografia: Roberto Henkin, Sérgio Amon
Roteiro: Jorge Furtado
Edição: Giba Assis Brasil
Direção de Arte: Fiapo Barth
Trilha original: Geraldo Flach
Empresa(s) produtora(s): Casa de Cinema de Porto Alegre
Narração: Paulo José

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ Ilha das Flores: Prêmios +++

Melhor Curta no Festival de Gramado em 1989
Melhor Edição no Festival de Gramado em 1989
Melhor Roteiro no Festival de Gramado em 1989
Prêmio Crítica e Público no Festival de Clermont-Ferrand em 1991
Prêmio da Crítica no Festival de Gramado em 1989
Prêmio do Público na Competição "No Budget" no Festival de Hamburgo em 1991
Urso de Prata no Festival de Berlim em 1990

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ Ilha das Flores: Aplicabilidades Pedagógicas +++

Disciplinas/Temas transversais: Biologia, Filosofia, Geografia, História, Língua Portuguesa, Meio ambiente, Saúde, Sociologia
Faixa Etária: Todas as idades
Nível de Ensino: Ensino Médio, Ensino Fundamental I, Ensino Fundamental II, Superior, Educação de Jovens e Adultos

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ Ilha das Flores +++

Há poucas flores na Ilha das Flores.
No entanto, há muito lixo e desigualdade.
Ilha das flores é o nome de um lixão.
Fica à margem esquerda do Rio Guaíba.
A poucos quilômetros de Porto Alegre, RS.
É também o nome do documentário em curta metragem.
Do cineasta Jorge Furtado.
Ele acompanha a trajetória de um simples tomate.
Desde a plantação até ser jogado fora.
E mostra o processo de geração de riqueza.
E as desigualdades que surgem no meio do caminho.

Boa parte do lixo de Porto Alegre é depositado na Ilha das Flores.
Na verdade, um terreno de propriedade de criadores de porcos.
O lixo é descarregado dos caminhões.
E os empregados separam parte dele para o consumo dos animais.
Durante o processo, formam-se filas de crianças e mulheres.
Ficam do lado de fora da cerca, a espera do que sobrou do lixo.
Isso é o que utilizam para alimentação.
As filas são muito grandes.
E os empregados organizam grupos de dez pessoas.
Em cinco minutos, podem pegar o que conseguirem do lixo.
Acabado o tempo, este grupo é retirado do local.
E dá lugar ao próximo grupo.
No documentário esta situação absurda é mostrada.

O filme é estruturado como um documentário científico.
Com as informações didaticamente ilustradas.
A narração é feita no padrão normal dos documentários.
Sem qualquer tom caricato e sem emoções.

A idéia do filme, de 1989, é mostrar o absurdo de uma situação.
Na escala de prioridade, seres humanos se encontram depois dos porcos.
Mulheres e crianças garantem, na sobra do alimento dos porcos, a alimentação diária.

Ganhou o prêmio de melhor curta no Festival de Gramado, de 1989.
E o Urso de Prata no Festival de Berlim, de 1990.
Entre outros prêmios.

Fonte: Revista Pré-Univesp

Leonardo Brocker disse...

+++ Ilha das Flores - Encontro Marcado com A miséria +++

A miséria é o tópico central do trabalho de Jorge Furtado.
O título contradiz a trama dos 13 minutos do curta-metragem.
E foi uma das ótimas idéias desse trabalho.
Mas não é a única.

A narração do ator Paulo José é sólida e segura.
E expõe as idéias de forma didática, encadeada.
Amarra as informações, na medida em que elas aparecem.
E constituem o eixo em torno do qual gravitam os espectadores.

O diretor uso um ritmo alucinado.
Para que saibamos sobre os tomates do Sr. Suzuki.
O perfume de dona Anete.
O surgimento do dinheiro.
E as peculiaridades dos seres humanos.
Como o polegar opositor.
E o tele-encéfalo altamente desenvolvido.
Isso nos dá pouco tempo para refletir sobre a informação.
E exige que assistamos ao vídeo duas ou até mesmo, três vezes.

Outra característica de Ilha das Flores é a profusão de imagens.
É como se tudo fosse uma verdadeira colagem.
As imagens se sucedem.
Como explicação de um conceito que o texto apresenta.
Chega a ser um tanto quanto enlouquecedor.
Nesse aspecto, reside um dos fatores que torna o filme imperdível:
Todos prestam atenção o tempo todo.

Ser um curta-metragem é outro aspecto interessante aos educadores.
Pode ser encaixado facilmente no tempo de uma aula.
E não permite que os alunos possam sequer esboçar um bocejo.

"Ilha das Flores" coloca em pauta a discussão acerca da pobreza.
Da fome e da exclusão social.
Foi produzido em 1989.
E dá para perceber que as coisas não mudaram muito.
Entre o Brasil daquela época e o de hoje...

Adaptado de João Luís de Almeida Machado (Planeta Educação)

Leonardo Brocker disse...

+++ Início do Fim +++

Gênero: Ficção
Subgênero: Drama
Diretor: Gustavo Spolidoro
Elenco: Nilson Asp
Duração: 6 min
Ano: 2005
Formato: 35mm
País: Brasil
Local de Produção: RS
Cor: Colorido
Sinopse: Um homem desiste.

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ Início do Fim: Ficha Técnica +++

Fotografia: ABC, Mauro Pinheiro Jr
Roteiro: Gustavo Spolidoro
Empresa(s) produtora(s): Clube Silêncio
Edição de som: Cristiano Scherer
Produção Executiva: Camila Groch, Jaqueline Beltrame
Montagem: Milton do Prado
Música: Marcelo Fruet

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...


+++ Início do Fim: Prêmios +++

Melhor Ator no Festival de Gramado - Mostra Gaúcha em 2006
Melhor direção no Festival de Atibaia Internacional do Audiovisual em 2005
Melhor direção no Festival de Gramado - Mostra Gaúcha em 2006
Melhor direção no Santa Maria Vídeo e Cinema em 2005
Melhor direção no Vitória Cine Vídeo em 2005
Melhor Direção de Arte no Festival de Gramado - Mostra Gaúcha em 2006
Melhor Ficção no Vitória Cine Vídeo em 2005
Melhor Filme no Curta-se - Festival Luso-Brasileiro de Curtas Metragens de Sergipe em 2005
Melhor Filme no Festival de Gramado - Mostra Gaúcha em 2006

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ Início do Fim: Festivais +++

Festival Internacional de Curtas de São Paulo (2005)
Festival de Gramado (2005)
Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro - Curta Cinema (2005)

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ Kassandra (2013) +++

Direção: Ulisses da Motta Costa
Roteiro: Roger Monteiro e Ulisses da Motta Costa

Elenco
Renata Stein: Kassandra
Leandro Lefa: Vizinho
Luis Franke: Homem Grande
Maico Silveira: Terapeuta
Suzana Witt: Prostituta
Ingrid Bonini: Voz no Telefone
Elena Meneghetti: Elena - A Desinibida do Lami

Sinopse
Kassandra é uma garota muda com problemas psiquiátricos.
Ela vive isolada em um enorme apartamento.
E é constantemente perturbada.
Pela sombra de um homem enorme e assustador.
Que ninguém acredita ser real.

Adaptado de IMDB.

Leonardo Brocker disse...

+++ Kassandra - Crítica de Filmes Pertubadores +++

Kassandra é um curta-metragem brasileiro
Com direção de Ulisses da Motta Costa.
Produção da Ampli Produtora.
Em associação com ATAMA e Galo de Briga Filmes.

Kassandra (Renata Stein) é uma jovem de 20 anos.
Sofre de estresse pós-traumático.
E mora sozinha em um apartamento.
A única companhia é a visita do terapeuta.
Ela o recebe periodicamente.
E um vizinho pervertido (Leandro Lefa).
Este vive a assediando.

Kassandra também apresenta um trauma desconhecido.
Tem alucinações visuais de um vulto, o "homem Grande".
E ficou muda misteriosamente.
Desde que os problemas psíquicos começaram a acontecer.

O Curta recebeu muitos elogios e prêmios em festivais de cinema.
Com prêmios de melhor filme, direção, trilha sonora e fotografia.
Aliás, a fotografia de "Kassandra" é excelente.
O preto-e-branco consegue transmitir todo o drama e angustia da paciente.
E fazendo com que nos apeguemos facilmente a ela.

As atuações das personagens são bem convincentes.
Principalmente a de Renata Stein.
A trilha sonora é muito boa e funciona muito bem.
Faz contraste com o cenário sem cor e claustrofóbico.

Kassandra é um curta-metragem forte e poderoso que deve ser sentido.
Algumas pessoas podem não gostar da falta de cor e voz.
Particularmente, eu prefiro da maneira como ele é.
Assim podemos explorar melhor os sentimentos e expressões das personagens.

Adaptado de Henry Nightwolf (Filmes Pertubadores)

Leonardo Brocker disse...

+++ Lobos +++

Diretor: Abel Roland
Duração: 12 min
Ano: 2012
Formato: HD
País: Brasil
Local de Produção: RS
Cor: Colorido
Elenco: Charlie Severo, Fernanda Carvalho Leite, Janaína Pelizzon
Sinopse: No caminho para uma festa, um casal se perde.

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ "Lobos" - Fernanda Carvalho Leite +++

Recebeu o prêmio de Melhor Atriz pelo curta em:
+ Festival de Cinema de Gramado - Mostra Gaúcha
+ Festival de Cinema de Santa Rosa

Leonardo Brocker disse...

+++ Maresia (2009) +++

Diretores: Natalia Piva Chim, Christian Schneider
Roteiro: Natalia Piva Chim, Christian Schneider
Elenco:
Paulo Guimarães: Paulo
Patricia Soso: Julia
Ana Julia Veiga: Julia (4 anos)

Prêmios
ABC Cinematography Award - Melhor Direção de Fotografia
Santa Maria Video e Cinema - Melhor Curta Nacional - Christian Schneider
Santa Maria Video e Cinema - Melhor Música Original - Jean Presser

Fonte IMDB

Leonardo Brocker disse...


+++ Maresia: Sinopse +++

Apresenta silenciosos momentos de uma bailarina vítima de abuso sexual.
O filme prima pela economia de gestos e elementos dispersivos.
E concentra-se na hesitação da mulher quanto a seu destino.
O conflito de Julia é expresso em imagens esteticamente elaboradas.
E elementos audiovisuais.

Adaptado de Cine Esquema Novo.

Leonardo Brocker disse...


+++ Maresia: Sinopse +++

Concentra-se na história de Julia.
A bailarina de 33 anos é estuprada.
Engravida.
E se vê frente ao dilema de fazer ou não um aborto.

Adaptado de Filmow.

Leonardo Brocker disse...

+++ Maresia - Christian Schneider +++

Prêmios como diretor de fotografia:
2011 Mejor Dirección de Fotografía, por “Maresia”, Salón Internacional de La Luz, Bogotá, Colômbia.
2010 Melhor direção de fotografia Prêmio ABC , por "Maresia", Associação Brasileira de Cinematografia, Brasil.
2009 Menção Honrosa , por “Maresia”, 2º MIAU, Goiânia - GO.
2009 Menção Honrosa pela fotografia , por “Maresia”, 5º REC, Vitória ES.
2009 Menção Honrosa pela fotografia, por “Maresia”, 8º SMCV, Santa Maria RS.
2009 Melhor Fotografia - Vencedor Etapa Brasil, por “Maresia”, Kodak FilmSchool Competition National. Brasil.
2009 2º Melhor Fotografia América Latina, por “Maresia”, Kodak FilmSchool Competition América Latina - L.A.R
2009 Melhor Fotografia, por “Maresia”, 5º Fest Cine Aruanda, João Pessoa, PB.

Prêmios exercendo outras funções:
2009 Melhor Filme por "Maresia", V Fest Cine Aruanda, João Pessoa PB.
2009 Melhor roteiro por "Maresia", V Fest Cine Aruanda, João Pessoa, PB.

Fonte: claquette.com.br

Leonardo Brocker disse...

+++ "Messalina" +++

Gênero: Ficção, Conteúdo Adulto
Subgênero: Drama
Diretor: Cristiane Oliveira
Elenco: Charlie Severo, Liane Vanturella, Vanise Carneiro
Duração: 15 min
Ano: 2004
Formato: 35mm
País: Brasil
Local de Produção: RS
Cor: Colorido

Sinopse:
Um telefone público toca insistentemente.
Isabel, uma jovem cega, atende.
Do outro lado da linha, um desconhecido lhe faz um convite incomum.

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ "Messalina" - Ficha Técnica +++

Fotografia: Jorge Henrique Boca
Roteiro: Cristiane Oliveira
Som Direto: Cristiano Scherer
Direção de Arte: Gilka Vargas, Iara Noemi
Empresa(s) produtora(s): Clube Silêncio
Edição de som: Cristiano Scherer
Direção de produção: Gilson Vargas
Produção Executiva: Gilson Vargas
Montagem: Tula Anagnostopoulos
Música: Kiko Ferraz Studios

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ "Messalina" - Prêmios +++

Melhor Atriz no Cine Ceará em 2005
Melhor Atriz no Festival de Brasília em 2004
Melhor Atriz no Festival de Guarnicê em 2005
Melhor Atriz no Prêmio José Lewgoy de Cinema Gaúcho em 2004
Melhor Montagem no Festival Santa Maria Vídeo e Cinema em 2005
Melhor Montagem no Mostra Gaúcha do Festival de Gramado em 2004
Melhor Roteiro no Cine Ceará em 2005
Melhor Roteiro no Festival de Brasília em 2004
Melhor Roteiro no Prêmio José Lewgoy de Cinema Gaúcho em 2004
Prêmio Especial do Júri no Curta-se - Festival Luso-Brasileiro de Curtas Metragens de Sergipe em 2005
Prêmio Especial do Júri no Festival de Gramado em 2004
Prêmio Porta Curtas no Festival de Brasília em 2004

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ "Messalina" - Festivais +++

Festival Internacional de Curtas de São Paulo (2004)
Festival de Brasília (2004)
Festival do Rio (2004)
Festival de Cinema e Vídeo de Cuiabá (2005)
Primeiro Plano - Festival de Cinema de Juiz de Fora (2004)

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ O Boxeador (2009) +++

Um veterano boxeador promete uma vitória no oitavo aniversário do filho.
Sucede-se uma inesperada derrota.
E o menino tenta refazer a imagem de homem invencível que tinha do pai.
O boxeador vai ter de administrar este acontecimento na vida dos dois.

Ficha técnica
Direção: Leonardo Wittmann
Roteiro: Leonardo Wittmann e Alexandre Rossi
Elenco: Cris Pereira, Carla Cassapo, Eliezer Garcia e Roberto Oliveira
Produção executiva: Firma Filmes
Música Original: André Brasil
Fotografia: Glauco Firpo
Arte: Ana Musa

Fonte: Clic RBS - Histórias Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ Outros (2000) +++

Gênero: Ficção
Diretor: Gustavo Spolidoro
Duração: 14 min
Ano: 2000
Formato: 35mm
País: Brasil
Local de Produção: Porto Alegre
Cor: Colorido

Elenco:
Evandro Soldatelli;
Juliana Spolidoro;
Leonardo Machado;
Renata de Lélis.

Sinopse:
Porto Alegre, hoje.
Numa das mais tradicionais avenidas da capital gaúcha.
Pessoas se encontram.
E discutem as suas e as nossas vidas.

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ Outros - Ficha Técnica +++

Produção: Aline Rizzotto
Fotografia: André Luís da Cunha
Roteiro: Gustavo Spolidoro
Edição: Flávio Zettel
Som Direto: Cristiano Scherer

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ Outros - Prêmios +++

2000 - Festival de Cinema de Gramado
+ Melhor Curta Metragem em 35mm - Gustavo Spolidoro
+ Melhor Diretor Curta Metragem em 35mm - Gustavo Spolidoro

2000 - Festival Internacional de Filmes do Rio de Janeiro
+ Melhor Curta Metragem - Gustavo Spolidoro

2001 - Grande Prêmio de Cinema Brasil
+ Melhor Curta-metragem - Gustavo Spolidoro

Fonte: IMDB

Leonardo Brocker disse...

+++ Por Uma Noite Apenas +++

Direção: Márcio Reolon
Duração:14:06
Ano de produção: Set/2009 RS

Sinopse:
O jovem Ian vai a um prostíbulo.
E paga pelos serviços de Isabelle.
Contudo, ele pede que conversem antes do programa.

Direção: Márcio Reolon
Diretor de Fotografia: Miguel Baierle
Edição de Som: Rochelle Silva
Montador / editor: Márcio Reolon e Samuel Telles
Diretor de arte: Elisa Graeff
Ator principal: Ricardo Seffner
Atriz principal: Rita Mauricio
Produção: Fabiano Palma
Roteirista: Márcio Reolon
Operação de câmera: Mathias Romanini
Ator – Filipe Matzembacher

Fonte: Cine Esquema Novo

Leonardo Brocker disse...

+++ "Sargento Garcia" (2000) +++

Gênero: Ficção, Conteúdo Adulto
Subgênero: Drama, Erótico
Diretor: Tutti Gregianin
Elenco: Antonio Carlos Falcão, Gedson Castro, Marcos Breda
Duração: 16 min
Ano: 2000
Formato: 35mm
País: Brasil
Local de Produção: RS
Cor: Colorido

Sinopse:
Baseado no conto homônimo de Caio Fernando Abreu.
Narra o encontro de um jovem e um sargento na década de 70.

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ "Sargento Garcia" - Ficha Técnica +++

Produção: Joca Pereira
Fotografia: Luis Abramo
Roteiro: Tutti Gregianin
Edição: Fábio Lobanowsky
Som Direto: Cléber Neutzling
Direção de Arte: Denise Zelmanovitz

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ "Sargento Garcia" - Prêmios +++

2º Lugar - Júri Popular no Festival Mix Brasil em 2000
Melhor Ator no Festival de Vitória em 2000
Melhor Curta Gaúcho no Festival de Gramado em 2001
Melhor Diretor no Festival de Vitória em 2000
Prêmio Especial do Júri no Cine Ceará em 2001

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ "Sargento Garcia" - Festivais +++

Festival Internacional de Curtas de São Paulo (2000)
Festival de Gramado (2000)
Festival de Brasília (2000)
Brazilian Film Festival of Miami (2001)
Cine Ceará (2001)
Festival de Recife (2001)
Mostra de Cinema de Tiradentes (2001)
Festival de Dresden (2001)
Araribóia Cine (2001)
Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro - Curta Cinema (2000)
Festival de Cinema e Vídeo de Curitiba (2001)
New Festival (2001)

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ Conto de Caio Fernando Abreu inspirou curta Sargento Garcia +++

O gaúcho Tutti Gregianin dirigiu "Sargento Garcia".
Uma história do conto homônimo do escritor Caio Fernando Abreu.
O filme relata o encontro de um jovem e um sargento.
Durante o alistamento militar da década de 70, em plena ditadura.
O ator Marcos Breda interpreta o sargento.
Ele conquista um de seus subordinados.
O jovem estreante Gedson Castro.

O filme foi bem recebido pela crítica na maioria dos festivais.
Em Gramado, Brasília, Vitória e Recife.
O filme apresenta sutileza e carinho
Apesar da relação sádica e da cena de sexo e nudez.
E torna-se grande na mão destes dois atores.

A idéia de realizar o filme teve início há muito tempo.
Quando Tutti leu a obra do escritor gaúcho na Universidade.
"A história me chamou a atenção. Eu a achei muito cinematográfica".

Para ele, não há preocupação em filmar a relação sexual entre dois homens.
"Eu nunca me preocupei que o filme fosse tachado de gay".
"É um filme que fala sobre o desejo. Seja ele aberto ou reprimido".

A escolha de Marcos Breda para o papel ocorreu naturalmente.
"Eu conheci Breda quando procurei a liberação dos direitos autorais de Caio".
"Na época ele estava realizando um peça em Porto Alegre".
"Questionei muito se Breda não era pouco austero para o papel do Sargento".
"No final, o personagem acabou revelando seu lado sutil em alguns momentos".

O fato do filme ser ambientado na própria época torna-o mais instigante.
Apesar de aumentar o orçamento, segundo o diretor.

Na época das filmagens, Gedson Castro tinha apenas 17 anos.
Foi escolhido entre 67 candidadtos.
E teve que suspender seu trabalho por dois meses.
Depois que o Ministério Público proibiu sua presença no elenco.
Pois um menor de idade não poderia participar de um filme com cenas de sexo.

O curta levou dois prêmios em Gramado, em 2000.
De Melhor Curta Gaúcho e de Melhor Ator (Marcos Breda).
No Festival de Cinema de Vitória, também recebeu dois prêmios.
O de melhor ator (Breda, outra vez) e de melhor direção de curtas.

Adaptado do portal Terra

Leonardo Brocker disse...

+++ "Um Aceno na Garoa" +++

O filme baseia-se no conto de mesmo nome de Sergio Faraco.
Parte da premiada coletânea "Dançar Tango em Porto Alegre".
Publicação da L&PM, em 1998.
E Prêmio Nacional de Ficção, em 1999.

É a história do encontro.
De duas pessoas solitárias numa noite fria e úmida.
Um homem desempregado e uma jovem prostituta.
Eles compartilham, além de um café amargo, uma grande solidão.


Elenco:
+ Renata de Lélis;
+ Marcelo de Paula;
+ João França;
+ Ivete Brandalise;
+ Milton Mattos.

Direção, roteiro e montagem: Mario Nascimento
Produção executiva: Regina Martins
Fotografia: Ivo Czamansky
Direção de arte: Eduardo Antunes
Ass. de direção: Gilca Motta da Silveira
Operador de final cut: Alfredo Barros
Coordenação de produção: Pablo Müller
Figurino: Raíza Antunes
Maquiagem: Baby Marques
Desenho de som: Andre Sittoni
Música: Geraldo Flach

Adaptado de LPM.

Leonardo Brocker disse...

+++ Um Aceno na Garoa +++

Uma noite de inverno em Porto Alegre, com chuva fina.
Um encontro inusitado de desfecho surpreendente.
O homem está desempregado.
A mulher, na rua, se prostituindo.
São duas pessoas sem amigos, sem parentes.
Entregues à própria sorte.
Numa situação de vida degradante.

Adaptado de Jornal do Comércio.

Leonardo Brocker disse...

+++ Vaga-lume +++

Gênero: Ficção
Diretor: Gilson Vargas
Elenco: Nelson Diniz, Rafael Serres, Sérgio Etchichury, Vanise Carneiro
Duração: 15 min
Ano: 2002
Formato: 35mm
País: Brasil
Local de Produção: RS
Cor: Colorido

Sinopse:
Uma história que fala sobre a inconstância da vida.
Sobre a pretensão de dominar o destino, o amor, os sentimentos.
A luz volátil, por vezes intensa, por vezes insuficiente.

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ "Vaga-lume" - Ficha Técnica +++

Fotografia: Sadil Breda
Roteiro: Gilson Vargas
Edição: Milton do Prado
Direção de Arte: Gilka Vargas, Iara Noemi
Trilha original: Fernando Basso
Empresa(s) produtora(s): Iara Noemi Produções, Plongée Cinema
Som: Rafael Rodrigues

Fonte: Porta Curtas

Leonardo Brocker disse...

+++ "De Volta ao Quarto 666", de Gustavo Spolidoro +++

"De Volta ao Quarto 666" traz, à frente da câmera, o diretor alemão Wim Wenders.
Para refletir acerca do que ele mesmo sugeriu a diversos diretores.
Em seu filme "Quarto 666", de 1982, filmado durante o Festival de Cannes.
No filme de Wenders, diretores discorrem sobre questões como;
“Qual o futuro do cinema?”.
“Vivemos a era da morte cinematográfica?”.
“Os videocassetes irão acabar com as salas de exibição”?
Dentre os diretores, Antonioni, Godard, Herzog, Fassbinder, Spielberg, Robert Kramer.

Gustavo Spolidoro se utiliza das imagens do filme original de Wenders.
Para fazer um diálogo com o que o diretor comenta em seus 13, 14 minutos de fala.
Wenders reflete sobre o tempo limitado.
Que a película e os gravadores de áudio disponibilizavam na época.
Eram apenas 12 minutos.
Isso restringia a fala do entrevistado.

26 anos depois, Wenders dispõe de todo tempo do mundo.
E parece extrapolá-lo muito pouco.
Enquanto discorre sobre a atualidade das antigas questões.
O lugar do cinema no mundo digital, dentre muitas outras coisas.

Com seus efeitos, Spolidoro dá um tom fantasmagórico.
E ao mesmo tempo solene para a fala de Wenders.
Alterna entre o colorido do quarto de hotel em que ele se encontra.
E o mesmo em preto e branco para contrastar com os hologramas dos diretores.
Estes são sobrepostos às imagens de Spolidoro.

O filme possui um ingrediente infalível.
Pois é difícil – apesar de não impossível – conceber a possibilidade.
De um filme que se vale das palavras de Wim Wenders.
E da “presença” fantasmagórica de tantas personalidades fantásticas do cinema.
Dar errado, no sentido de não ter atrativos, não colocar questões.

"De Volta ao Quarto 666" retoma as reflexões de forma interessante.
Cria toda uma movimentação por vezes simbólica.
Uma vez que a câmera do filme atual permanece estática no tripé.
Gerando uma liberdade.
Ainda que dentro do quadro definido.
De circulação de Wenders e dos “habitantes” de seu filme.

O alemão parece não ter a dizer.
Mais do que aqueles minutos aos quais se acostumara.
Na primeira experiência de reflexão com o futuro do cinema.
Mas como é característica de sua persona, expõe uma melancolia e ceticismo.
Em torno desse lugar para o qual o cinema caminha.
E tem o cuidado de deixar em aberto o imprevisível de uma arte.
Que, - assim desejamos todos – terá vida longa pela frente.

Adaptado de Ursula Rösele (Filmes Polvo)

Postar um comentário

 
Free Host | new york lasik surgery | cpa website design