segunda-feira, 20 de março de 2017

Centro Alto de Porto Alegre

O Centro Alto de Porto Alegre corresponde à Rua Duque de Caxias. E o entorno da Praça da Matriz. Na origem da cidade, encontravam-se ali as principais instituições e os casarões e sobrados da elite da capital gaúcha.

Mural do Colégio Ernesto Dornelles, Porto Alegre
Mural do Colégio Ernesto Dornelles
  

Da Rua Riachuelo ao Centro Alto
Adaptei os novos roteiros pelo centro de Porto Alegre do projeto Viva o Centro a Pé. Assim, dividi a área histórica em Centro Baixo, Rua Riachuelo e Centro Alto. Com a Rua Riachuelo entre as parte alta e baixa.

O antigo Solar do Conde de Porto Alegre foi meu último destino na Rua Riachuelo. O prédio sedia, hoje, o Instituto de Arquitetos do Brasil. Ao deixar o local, caminhei duas quadras em direção ao Lago Guaíba.

Lateral do Castelinho do Alto da Bronze, Porto Alegre
Castelinho do Alto da Bronze


O Castelo do Alto da Bronze
Na Rua General Vasco Alves, segui à esquerda. Até a Rua Fernando Machado. Ali, fica o Castelinho do Alto da Bronze. A curiosa construção de pedra foi palco de uma não menos curiosa lenda urbana.

O político Carlos Eurico Gomes construiu o prédio, em estilo gótico, nos anos 1940. E ali manteve a amante em regime, praticamente de prisão, durante quatro anos. Daí surgiu a lenda da Rapunzel de Porto Alegre...

Primeiro Lance de Degraus da Escadaria da Rua João Manoel, Porto Alegre
Escadaria da Rua João Manoel


Enfim a Rua Duque de Caxias...
Retornei uma quadra até a Duque de Caxias. Ali, fica o imponente prédio do Colégio Ernesto Dornelles. Uma escada leva à entrada principal. Esta fica após duas grandes colunas brancas, que dominam a fachada.

Avancei quatro quadras, em direção à Praça da Matriz. E entrei na Rua João Manoel para descer a escadaria até a Rua Fernando Machado. Abortei a missão ao ver três caras fumando escondidos sob a escada...

Palacinho da Rua Duque de Caxias, Porto Alegre
Palacinho da Rua Duque de Caxias


Pinacoteca Ruben Berta e Memoriais
Voltei à Rua Duque de Caxias. E entrei na Pinacoteca Ruben Berta, alguns metros à frente. O local recebia uma exposição com desenhos e pinturas do arquiteto Joseph Lutzenberger. Estes faziam parte do acervo da família.

Segui na direção da Praça da Matriz. E passei em frente ao Palacinho e ao Memorial da Assembleia Legislativa, que logo fecharia. Visitei, assim, só o Memorial do Judiciário, onde vi os móveis de um antigo tribunal...

Memorial do Judiciário, em Porto Alegre - Antigo Palácio da Justiça
Memorial do Judiciário

14 comentários:

Leonardo Brocker disse...

+++ Becos e Ruas da Antiga Porto Alegre +++

Inicialmente, os becos tinham o nome dos moradores.
De peculiaridades do terreno.
Ou das atividades que ali se realizavam:
+ Beco da Ópera (atual Rua Uruguai);
+ Beco do Barbosa (Rua Barros Cassal);
+ Beco do Oitavo (Rua André da Rocha);
+ Beco do Bota Bica (Rua General Portinho);
+ Beco do Poço (Avenida Borges de Medeiros);
+ Beco dos Guaranis (Rua General Vasco Alves);
+ Caminho da Azenha (Avenida João Pessoa);
+ Caminho Novo (Rua Voluntários da Pátria);
+ Rua Clara (Rua João Manoel);
+ Rua da Figueira (Rua Coronel Genuíno);
+ Rua da Ladeira (Rua General Câmara);
+ Rua da Margem do Riacho (Rua João Alfredo);
+ Rua da Olaria (Rua General Lima e Silva);
+ Rua da Passagem (Rua General Salustiano);
+ Rua da Varzinha (Rua Demétrio Ribeiro);
+ Rua de Bragança (Rua Marechal Floriano);
+ Rua do Arvoredo (Rua Fernando Machado).

Fonte: “Viva o Centro a Pé”, Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, 2014.

Leonardo Brocker disse...

+++ Ruas de Porto Alegre com Mais de Um Nome +++

+ 24 de Outubro: Caminho dos Anjos;
+ 24 de Outubro: Estrada da Aldeia;
+ 24 de Outubro: Estrada dos Moinhos de Vento;
+ Andradas: Rua da Graça ou Rua da Praia;
+ Caldas Jr: Beco do Inácio, Beco do Quebra Costas ou Beco do Fanha;
+ Duque de Caxias: Rua Formosa, Rua da Igreja ou Rua do Hospital;
+ General Bento Martins: Beco do Jogo de Bola;
+ General Bento Martins: Beco dos Nabos a Doze;
+ General Bento Martins: Beco dos Pecados Mortais;
+ General Canabarro: Beco do Pedro Mandinga ou Rua Direita;
+ Independência: Caminho dos Anjos;
+ Independência: Estrada da Aldeia;
+ Independência: Estrada dos Moinhos de Vento;
+ Riachuelo: Rua da Ponte ou Rua do Cotovelo.

Fonte: “Viva o Centro a Pé”, Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, 2014.

Leonardo Brocker disse...

+++ O Desenho da Escadaria da Rua João Manoel +++

O conjunto estende-se por 52 metros.
E organiza-se em sete trechos.
A parte alta fica no final da Rua João Manoel.
Ali, encontra-se o mirante principal.
Um balaústre de alvenaria e granito.
Que oferecia vista para a Praia de Belas e a Zona Sul.
Hoje, os prédios bloquearam a vista do belvedere.

Uma escada central leva ao espaço principal do conjunto.
Um estar alargado com duas escadas curvas nas laterais.
Ornadas por gradis, estas escadas se bifurcam.
E dali, a escada projeta-se até a Rua Fernando Machado.

Pilastras marcam o ritmo e a simetria da obra.
Nos espaços laterais, havia jardins e canteiros.
Eles funcionavam como moldura verde ao monumento.

Fonte: “Viva o Centro a Pé”, Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, 2014.

Leonardo Brocker disse...

+++ Praça Marechal Deodoro +++

Centro cívico de Porto Alegre, desde os primórdios.
Inicialmente, a área era conhecida como Praça da Igreja.
Em 1865, tornou-se Praça Dom Pedro II.
E com a Proclamação da República recebeu o nome atual.
Embora, popularmente, siga como Praça da Matriz.

No entorno da praça, encontram-se prédios importantes.
As sedes dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.
Os memoriais do Ministério Público e da Assembleia.
O Solar dos Câmara e o Theatro São Pedro.
A Catedral Metropolitana e o Museu Júlio de Castilhos.

O tombamento como patrimônio nacional veio em 2003.

Fonte: “Viva o Centro a Pé”, Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, 2014.

Leonardo Brocker disse...

+++ As Duas Primeiras Linhas de Bonde +++

A Cia Carris de Ferro iniciou as operações em 1874.
Os bondes funcionavam por tração animal.
E as duas linhas tinham como destino o Menino Deus.

Uma delas saía da Praça da Matriz.
E passava pela Várzea, hoje Parque Farroupilha.
Outra linha saía do Mercado Público.
E passava pela Rua da Margem, atual João Alfredo.

Fonte: “Viva o Centro a Pé”, Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, 2014.

Leonardo Brocker disse...

+++ A Proclamação da República +++

Com a Proclamação da República ocorreram mudanças.
Nos nomes de avenidas, praças e ruas de Porto Alegre.
Seguem exemplos com o antigo nome e o atual:

+ Praça Conde D’Eu, hoje Praça 15 de Novembro;
+ Praça Dom Pedro II, hoje Praça Marechal Deodoro;
+ Rua do Imperador, hoje Rua da República;
+ Rua Dona Isabel, hoje Rua Demétrio Ribeiro;
+ Rua Imperatriz, hoje Rua Venâncio Aires;
+ Rua Imperial, hoje Rua Benjamin Constant.

Também vieram as homenagens aos positivistas:

+ Avenida Assis Brasil;
+ Avenida Borges de Medeiros;
+ Monumento a Júlio de Castilhos;
+ Praça Júlio de Castilhos;
+ Praça Otávio Rocha;
+ Rua Alberto Bins;
+ Rua Júlio de Castilhos;
+ Viaduto Otávio Rocha.

Fonte: “Viva o Centro a Pé”, Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, 2014.

Leonardo Brocker disse...

+++ A Rapunzel de Porto Alegre +++

O político construiu o Castelo do Alto da Bronze para Nilza Linck.
Ciumento, não a deixava sair do castelo.
Nem tampouco cumprimentar os vizinhos.
Ou mesmo se aproximar das janelas.
Nilza viveu quatro anos, praticamente, encarcerada.
Até arrumar coragem para abandonar Carlos Eurico Gomes.
O político chegou a ser Ministro do Tribunal de Contas.

O jornalista Juremir Machado da Silva publicou a história.
Ela está no livro “A Prisioneira do Castelinho do Alto da Bronze”.

Fonte: Zero Hora, 24/08/2016.

Leonardo Brocker disse...

+++ Arquitetura do Colégio Ernesto Dornelles +++

A construção do imponente prédio iniciou em 1914.
Com projeto de Alphonse Hebert.
Manuel Itaqui e Roberto Roncolli executaram a obra.
A conclusão ocorreu três anos depois, em 1917.

O prédio tem fortes características monumentais do positivismo.
Estas se tornam evidentes logo na entrada principal.
Ali, vemos as colunas com treze metros de altura.
E a escadaria ornada com duas estátuas-candelabros de meninos.
São figuras assimétricas em ferro fundido.
Originárias das fundições francesas do Val d’Osne.

Fonte: “Viva o Centro a Pé”, Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, 2014.

Leonardo Brocker disse...

+++ Uso Posterior do Solar Conde de Porto Alegre +++

O governo do Estado adquiriu o solar.
E instalou, em 1933, um Quartel General.
Do Corpo Policial Ratos Brancos.

O prédio sofreu diversas intervenções.
Elas alteraram a composição arquitetônica original.
Também se alterou a estrutura do terreno lindeiro.
Ali, construiu-se o primeiro necrotério de Porto Alegre.

Hoje o solar e o necrotério abrigam o Instituto de Arquitetos.

Fonte: “Viva o Centro a Pé”, Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, 2014.

Leonardo Brocker disse...

+++ O Conde de Porto Alegre +++

Manoel Marques de Almeida recebeu o título de conde.
E atuou na Revolução Farroupilha ao lado das forças imperiais.

Fonte: “Viva o Centro a Pé”, Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, 2014.

Leonardo Brocker disse...

+++ Ricos e Pobres no Centro do Século XIX +++

A Rua João Manoel era uma divisora de territórios.
Dali até a Volta do Gasômetro ficava a população mais pobre.
Da Rua João Manoel até a Santa Casa, os mais ricos.

Apolinário Porto Alegre ilustra isso no conto “Mandinga” (1867).
Os bagadus representavam os desvalidos de sorte.
E os tinteiros, as crianças que sabiam ler e escrever.

Fonte: “Viva o Centro a Pé”, Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, 2014.

Leonardo Brocker disse...

+++ Porto Alegre na Virada do Século XX +++

Um bonde puxado a burro ia do Centro para o Menino Deus.
No caminho, este bonde passava pela Ponta da Cadeia.
No local, hoje fica o Centro Cultural Usina do Gasômetro.
Dali, ele seguia pelo Caminho de Belas (Praia de Belas).
Até o Asilo da Mendicidade, que ainda hoje existe.
Ele fica quase em frente ao Estádio Beira-Rio.

Fonte: “Viva o Centro a Pé”, Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, 2014.

Leonardo Brocker disse...

+++ O Deslocamento das Elites de Porto Alegre +++

No início da década de 1920, as elites deixam o Centro.
As residências deslocam-se gradualmente.
Deixam as áreas mais altas e sãs da Rua Duque de Caxias.
E seguem em direção à Avenida Independência.
E ao futuro bairro Moinhos de Vento.
Ali, surgiam a Hidráulica e a Praça Júlio de Castilhos.

Fonte: “Viva o Centro a Pé”, Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, 2014.

Leonardo Brocker disse...

+++ Estátuas da Praça da Matriz +++

Em 1910, instalaram-se quatro estátuas na Praça Dom Sebastião.
Eram remanescentes de um conjunto de cinco da Praça da Matriz.
Elas adornavam o Chafariz do Imperador, em mármore de Carrara.
E faziam parte do primeiro monumento ao ar livre do Estado.

Esta magnífica obra ficou na Praça da Matriz de 1866 a 1910.
E personificava os grandes rios da bacia do Lago Guaíba.
A inscrição na base das estátuas registrava:
Cahy, Gravatahy, Jacuhy e Sinos.

Fonte: “Viva o Centro a Pé”, Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, 2014.

Postar um comentário

 
Free Host | new york lasik surgery | cpa website design