quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Roteiro Aldo Locatelli em Porto Alegre [Artigo 4]: "A Fundação da Cidade de Rio Grande", Palácio Piratini

“A Fundação da Cidade de Rio Grande” fica no Salão Alberto Pasqualini, no Palácio Piratini. Aldo Locatelli elaborou a obra no início da década de 1950. A figura central é o Brigadeiro José da Silva Paes.

A Fundação da Cidade de Rio Grande, Aldo Locatelli, Salão Alberto Pasqualini, Palácio Piratini, Porto Alegre
Fundação da Cidade de Rio Grande
  
Este Artigo Faz Parte da Série...
Roteiro Aldo Locatelli em Porto Alegre


Conheci o Salão Alberto Pasqualini na visita guiada pelo Palácio Piratini. Este salão abriga o mais imponente mural de Locatelli. “A Formação Histórico-Etnográfica do Povo Rio-Grandense” domina as atenções do local.

Brigadeiro José da Silva Paes - A Fundação da Cidade de Rio Grande, Aldo Locatelli, Salão Alberto Pasqualini, Palácio Piratini, Porto Alegre
Brigadeiro José da Silva Paes

“A Fundação da Cidade de Rio Grande” fica à direita do grande mural. As menores dimensões e a ausência de cores quase cegam a obra. Também há menos elementos que na obra mais famosa.

O Índio - A Fundação da Cidade de Rio Grande, Aldo Locatelli, Salão Alberto Pasqualini, Palácio Piratini, Porto Alegre
O índio sentado de costas 

O grande destaque do mural é a ideia de perspectiva ou profundidade que Locatelli criou. A impressão é de que as figuras são tridimensionais ou estão em alto relevo. Algo diferente das outras obras do pintor.

Detalhe do mural 'A Fundação da Cidade de Rio Grande', Aldo Locatelli, Salão Alberto Pasqualini, Palácio Piratini, Porto Alegre
Detalhe do mural 'A Fundação da
Cidade de Rio Grande', Aldo Locatelli

O Brigadeiro José da Silva Paes, fundador da cidade de Rio Grande, destaca-se. Ele fica no centro da imagem. Na parte inferior esquerda do mural, há o índio sentado de costas. Será Sepé Tiaraju?

7 comentários:

Leonardo Brocker disse...

+++ “A Fundação da Cidade de Rio Grande” +++

O Brigadeiro José da Silva Paes destaca-se à frente.
À esquerda dele, um homem carrega um barril.
E um arauto anuncia a chegada de todos às terras do sul.
À direita, destaca-se um militar.
Ele parece receber José da Silva Paes.

Ao fundo, há as embarcações e os trabalhadores.
O barco à direita de Silva Paes é a galera Leão Dourado.
Ela levou-o da Enseada de Maldonado à Barra de Rio Grande.

Por fim, em primeiro plano, há a figura do índio.
Ele estava presente na ocasião da chegada do brigadeiro.
E apenas observa a cena. É um espectador.
A figura do índio prolonga-se sobre a moldura da obra.
Locatelli fez o mesmo no Dies Irae da Igreja de São Pelegrino.

“O Rio Grande do Sul de Aldo Locatelli”, Luciana Costa de Oliveira

Leonardo Brocker disse...

+++ O Brigadeiro José da Silva Paes +++

Ocupou o cargo de governador da Capitania de São Pedro.
Assumiu, ali, o lugar de Gomes Freire de Andrade.
E destacou-se no processo de fundação da sociedade sulina.
Na época, os espanhóis sitiavam Colônia de Sacramento.
Era necessária a rápida ocupação e colonização do atual RS.
A Coroa Portuguesa destacou José Silva Paes para essa tarefa.
Ele tomaria oficialmente posse das terras entre Laguna e o Prata.
A primeira medida necessária era a construção de uma guarnição.
O objetivo era salvaguardar as fronteiras e o território.
Assim, em 1737, o brigadeiro construiu o Forte Jesus, Maria, José.
E assentou as bases que originaram a Colônia do Rio Grande de São Pedro.
O militar reveste-se, portanto, de agente da história regional.
E Aldo Locatelli coloca-o em evidência como figura-chave da obra.
Observa-se uma triangulação do espaço.
E o brigadeiro ocupa o lugar central, destacando-se dos demais.

“O Rio Grande do Sul de Aldo Locatelli”, Luciana Costa de Oliveira

Leonardo Brocker disse...

+++ Localização e Temática do Mural +++

A pintura “A Fundação da Cidade de Rio Grande” tem 1,74m x 1,60m.
E fica no Salão Alberto Pasqualini, no Palácio Piratini.
Ao lado de “A Formação Histórico-Etnográfica do Povo Rio-Grandense”.
E diferencia-se do monumental mural pelas técnicas artísticas da obra.
O tema é a chegada do Brigadeiro José da Silva Paes e sua gleba.
E como o nome da obra deixa claro, a fundação da cidade de Rio Grande.
Este é o marco inicial do Estado do Rio Grande do Sul.
E não apareceu no mural ao lado, que mostra o lusitano e os bandeirantes.
Assim, “A Fundação da Cidade de Rio Grande” comporta outros elementos.
Eles são mais pontuais e específicos sobre o marco de fundação do RS.
E complementam o outro mural.

“O Rio Grande do Sul de Aldo Locatelli”, Luciana Costa de Oliveira

Leonardo Brocker disse...

+++ As Percepções de Locatelli sobre o RS +++

O pintor teve contato com intelectuais, de forma específica.
E estabeleceu-se, rapidamente, em Pelotas, ao chegar ao Brasil.
Isso contribuiu na percepção de Locatelli sobre o passado do Estado.
Pelotas e Rio Grande foram os berços da cultura luso-açoriana no RS.
Aldo Locatelli inseriu-se cada vez mais nos círculos intelectuais pelotenses.
E ali, adquiriu boa parte do conhecimento a respeito do sul do Brasil.

“O Rio Grande do Sul de Aldo Locatelli”, Luciana Costa de Oliveira

Leonardo Brocker disse...

+++ O Uso da Perspectiva no Mural +++

Aldo Locateli fez uso da perspectiva no mural.
E isso denota os fortes traços da formação clássica do pintor.
Os artistas renascentistas desenvolveram o uso da perspectiva.
Em especial, Leonardo da Vinci e Miguel Ângelo.
A perspectiva organiza as figuras geométricas no plano da obra.
E relaciona-as às percepções do olhar.
O pintor demarca o personagem que deve sobressair-se.
E o ponto de fuga atrai o olhar para as imagens centrais.
As imagens de maior relevância para o contexto da obra.

“O Rio Grande do Sul de Aldo Locatelli”, Luciana Costa de Oliveira

Leonardo Brocker disse...

+++ O Uso da Grisaille no Mural de Locatelli +++

O mural “A Fundação da Cidade de Rio Grande” é monocromático.
Aldo Locatelli trabalha em grisaille para moldar os personagens.
E modela-os pela luz e pela sombra, criando um relevo.
Este tipo de pintura destina-se a ocupar locais específicos.
E há uma forte relação entre ela e o ambiente arquitetônico.
A técnica cria uma proximidade nítida com elementos escultórios.
O pintor modela as figuras alterando a intensidade da luz.
Da mesma forma que os escultores vislumbram os baixo-relevos.

“O Rio Grande do Sul de Aldo Locatelli”, Luciana Costa de Oliveira

Leonardo Brocker disse...

+++ Palácio Piratini +++

Substituiu o Palácio de Barro, de 1772.
Aquela foi a primeira sede do Executivo Estadual.
E atendeu às funções por mais de um século.

O francês Maurice Gras projetou o novo palácio.
A construção prolongou-se de 1909 a 1921.
Ano em que o governo Borges de Medeiros instalou-se, ali.

Em 1955, o prédio recebeu o nome de Palácio Piratini.
Uma homenagem à primeira capital Farroupilha.

A entrada principal fica junto à Praça da Matriz.
Ali, há duas esculturas do francês Paul Landowski.
Elas representam a agricultura e a indústria.

Em 1986, o Estado tombou o prédio patrimônio cultural.
O Palácio Piratini também é patrimônio federal.
E integra o sítio histórico da Praça da Matriz.

Fonte: “Viva o Centro a Pé”, Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, 2014.

Postar um comentário

 
Free Host | new york lasik surgery | cpa website design