sábado, 27 de fevereiro de 2016

Museu Municipal de Candelária

O destaque do Museu Municipal Aristides Carlos Rodrigues são os animais do Período Triássico. Eles viveram entre 220 e 230 milhões de anos. O museu destaca curiosidades evolutivas de alguns animais:

Dicinodonte - Museu Municipal de Candelária
Dicinodonte - Museu Municipal de Candelária

# a posição dos membros dos Dinodontosaurus;
# o crânio do Jachaleria;
# a dentição dos Rincossauros.

O Museu Municipal de Candelária reúne animais de grande e pequeno porte. Como os Tecodontes e o Candelariodon, respectivamente. Ou carnívoros (Guaibasaurus candelariensis) e herbívoros (Massetognathus).

Localização: Avenida Pereira Rego, 994, centro de Candelária.

Veja também...
Visita ao Museu de Candelária

11 comentários:

Leonardo Brocker disse...

+++ O Museu Municipal Aristides Carlos Rodrigues +++

O museu monitora, preserva, protege e exibe patrimônio natural.
E a apresentação didática facilita a compreensão.

No acervo, há dezenas de fósseis originais.
Além de coprólitos, marcas de vermes, mandíbulas, crânios.
E desenhos, réplicas de peças e esculturas de animais.

Um microscópio auxilia na observação de detalhes dos fósseis.
É possível, dessa forma, identificar:
+ a dentição de animais extremamente pequenos;
+ o tecido ósseo com os anéis de crescimento;
+ os vestígios de vasos sanguíneos e medula óssea;
+ os anéis no corte de lenhos.

Leonardo Brocker disse...

+++ Curiosidades de Candelária +++

+ Na cidade, encontrou-se o maior crânio de um predador do triássico;
+ Candelária é um dos dois únicos lugares do mundo onde há cinodontes mamaliamorphas com crânios de pequena dimensão, só vistos com lupa óptica;
+ É a única cidade do Brasil onde se identificam três períodos faunísticos diferentes: landiano, carniano e noriano;
+ Em Candelária, há mais de três dezenas de afloramentos;
+ Neles, encontram-se vertebrados, icnofósseis e lenhos;
+ Nestes afloramentos, descobriram-se 13 novos animais.

Leonardo Brocker disse...

+++ Os Fósseis de Candelária +++

+ Os rincossauros possuem estranha dentição;
+ Os dinodontossauros diferenciam-se na posição dos membros;
+ O Jacharleria apresenta um crânio excêntrico;
+ Há animais que guardam vestígios das transformações que levaram aos mamíferos: Candelariodon (230 milhões de anos) e Brasilitherium (220 milhões de anos).

Leonardo Brocker disse...

+++ Rincossauro +++

O lagarto de bico é o fóssil guia do Triássico (225 milhões de anos).
Há fósseis desde herbívoro cosmopolita em vários pontos do planeta.
Possuía cerca de dois metros. E cabeça robusta e triangular.

Leonardo Brocker disse...

+++ Candelaria barbouri +++


O cientista Price descreveu o animal, na década de 1940.
Price foi o primeiro a descobrir fósseis em Candelária.
O animal tinha cerca de 20 cm.
E viveu no Triássico médio (230 milhões de anos).
Distinguia-se por possuir dentes no céu da boca.

Leonardo Brocker disse...

+++ Dinodontosaurus turpior +++

O animal tinha cerca de 2 m de comprimento e 1,2 m de altura.
Viveu no Triássico médio (230 milhões de anos).
Este herbívoro possuía hábito gregário.
E caracterizava-se pela feitura de tocas.

Leonardo Brocker disse...

+++ Candelariodon barberenai +++

Primeira descoberta de uma parceria do Museu com a UFRGS.
O cinodonte carnívoro tinha 0,2 m de altura e 0,4 m de comprimento.
Viveu durante o Triássico médio (230 milhões de anos).
E apresentava incisivos, caninos e pós-caninos bem definidos.
Estas características chegarão aos mamíferos, milhões de anos depois.

Leonardo Brocker disse...

+++ Guaibasaurus candelariensis +++

Viveu no final do período Triássico (220 milhões de anos).
E é um dos mais animais antigos do mundo, nesta espécie.
Apresentava 1,2 a 2 metros de altura.
E características bem definidas de bipedalismo.
Um exemplo, é a liberação dos membros anteriores.
Também tinha o caminhar digitigrado (ponta dos dedos).

Leonardo Brocker disse...

+++ Jachaleria candelariensis +++

É a última espécie da linhagem de dicinodontes.
Extinguiu-se no final do Triássico (220 milhões de anos).
Eram herbívoros, com 1,2 m de altura e 2 m de comprimento.
O tamanho de um pequeno bovino.
Viviam em bandos e não possuíam dentes.
O bico córneo era similar ao de uma tartaruga.

Leonardo Brocker disse...

+++ Fitossauro +++

Réptil aquático extinto, com 2 metros de comprimento.
O animal era semelhante aos crocodilos.
A dentição indica a possibilidade de capturar presas escorregadias.
Dentre elas, os peixes.
O fitossauro viveu no final do Triássico (220 milhões de anos).
O exemplar encontrava-se no afloramento Botucaraí.
E é o único que se conhece na América do Sul e África.

Leonardo Brocker disse...

+++ Prestosuchus chiniquensis +++

Viveu no período Triássico médio (230 milhões de anos).
E é o maior predador do Triássico brasileiro.
Tinha 1,5 metros de altura e 7 metros de comprimento.
Engolia as presas em grandes pedaços, sem mastigar.
Isso ainda acontece com os répteis.

Postar um comentário

 
Free Host | new york lasik surgery | cpa website design