quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Os Grandes Sucessos de Lupicínio Rodrigues: O Compositor da "Dor de Cotovelo"

"Aves Daninhas", Lupicínio Rodrigues (1954)
"Brasa", Lupicínio Rodrigues e Felisberto Martins (1945)
"Briga de Amor", Lupicínio Rodrigues e Felisberto Martins (1940)
"Cadeira Vazia", Lupicínio Rodrigues e Alcides Gonçalves (1949)

A maioria das músicas de Lupicínio Rodrigues
foram inspiradas por suas mulheres.

"Castigo", Lupicínio Rodrigues e Alcides Gonçalves (1953)
"Cevando o Amargo", Lupicínio Rodrigues e Piratini (1953)
"Dona Divergência", Lupicínio Rodrigues e Felisberto Martins (1939)
"Ela Disse-me Assim", Lupicínio Rodrigues (1959)
"Esses Moços (Pobres Moços)", Lupicínio Rodrigues (1948)
"Eu Não Sou Louco", Lupicínio Rodrigues e Evaldo Ruy (1949)
"Exemplo", Lupicínio Rodrigues (1960)
"Felicidade", Lupicínio Rodrigues (1933)


"Foi Assim", Lupicínio Rodrigues (1952)
"Judiaria", Lupicínio Rodrigues (1973)
"Loucura", Lupicínio Rodrigues (1973)
"Maria Rosa", Lupicínio Rodrigues e Alcides Gonçalves (1949)
"Não Conte pra Ninguém", Lupicínio Rodrigues e Rubens Santos (1962)
"Nervos de Aço", Lupicínio Rodrigues (1947)
"Nunca”, Lupicínio Rodrigues (1952)
"O Morro Está de Luto", Lupicínio Rodrigues (1953)

Lupi cunhou o termo "dor de cotovelo".

"Paciência (Vou Brigar com Ela)", Lupicínio Rodrigues (1961)
"Pergunta a Meus Tamancos", Lupicínio Rodrigues e Alcides Gonçalves (1936)
"Pra São João Decidir", Lupicínio Rodrigues e Francisco Alves (1952)
"Que Baixo", Lupicínio Rodrigues e Caco Velho (1945)
"Quem Há de Dizer", Lupicínio Rodrigues e Alcides Gonçalves (1948)
"Rosário de Esperança", Lupicínio Rodrigues (1973)
"Se Acaso Você Chegasse", Lupicínio Rodrigues e Felisberto Martins (1938)
"Se é Verdade", Lupicínio Rodrigues (1954)


"Torre de Babel", Lupicínio Rodrigues (1963)
"Vingança", Lupicínio Rodrigues (1951)
"Volta", Lupicínio Rodrigues (1957)
"Zé Ponte", Lupicínio Rodrigues e Felisberto Martins (1947).


Veja também...

3 comentários:

Leonardo Brocker disse...

+++ Lupicínio Rodrigues e O Grêmio +++

Em 1907, surgiu o Rio-Grandense, um time de negros.
Em 1911, ele tentou-se inscrever na Liga de Futebol de Porto Alegre.
Na época, o pai de Lupicínio Rodrigues era o presidente do clube.
E o colorado Henrique Poppe presidia a Liga de Futebol.
O Grêmio votou a favor e foi voto vencido.
O Rio-Grandense não foi aceito.
E criou o torneio de futebol dos negros.
A imprensa apelidou de "Liga da Canela Preta".
E o nome pegou.
Mais tarde, Lupicínio Rodrigues tornou-se gremista.
E eternizou a paixão pelo clube no Hino do Cinquentenário.

Leonardo Brocker disse...

+++ "Lara, O Craque Imortal" +++

Lara era um homem de pouquíssimos recursos financeiros.
Aurelio Py, dirigente gremista, buscou o goleiro em Uruguaiana.
Lara veio a contragosto, mediante transferência militar compulsória.
Chegou ao Grêmio, em 1920, sob resistência de alguns dirigentes.
Paupérrimo, morava no Fortim da Baixada, onde era zelador.
E logo, conquistou lugar nobre, garantindo a aceitação dos dirigentes.
O temperamento sério e a disciplina militar contaram muito.
Lara defendeu o Grêmio até 1935, quando faleceu.
Lupicínio Rodrigues imortalizou o goleiro no Hino do Cinquentenário.

Leonardo Brocker disse...

+++ Hino do Cinquentenário +++

Em 1953, Lupicínio Rodrigues compôs o Hino do Cinquentenário.
Acredita-se que a letra surgiu durante uma greve dos bondes.
Assim, os torcedores precisavam ir a pé aos jogos do Grêmio.
Isto motivou o trecho “Até a pé nós iremos”.

O compositor também adaptou uma frase que a torcida usava.
Trata-se de “Com o Grêmio, onde estiver o Grêmio”.
A frase apareceu pela primeira vez em 11 de agosto de 1946.
Na ocasião, o Grêmio perdeu para o Renner, fora de casa.

Postar um comentário

 
Free Host | new york lasik surgery | cpa website design