sexta-feira, 11 de julho de 2014

Monumento dos Açorianos, Porto Alegre

O Monumento dos Açorianos foi inaugurado em 1974. Essa escultura de 17 metros de altura e 24 de comprimento é uma homenagem aos colonizadores portugueses, que ajudaram a povoar Porto Alegre, em 1752.

Monumento dos Açorianos e Centro Administrativo, em Porto Alegre
Monumento dos Açorianos e Centro Administrativo

O monumento foi criado por Carlos Tenius, também autor do Monumento a Castelo Branco, no Parcão. E ele lembra uma caravela composta por corpos humanos entrelaçados. À frente, uma figura alada representa a Vitória.

Localização: esquina das avenidas Loureiro da Silva e Borges de Medeiros, Parque dos Açorianos, centro de Porto Alegre.

Veja também...
Atrações de Porto Alegre por Categoria
Atrações de Porto Alegre por Localização
Ponte de Pedra e Monumento aos Açorianos
Relatos de Porto Alegre

6 comentários:

Leonardo Brocker disse...

+++ Carlos Gustavo Tenius: Biografia +++

Carlos Gustavo Tenius nasceu, em Porto Alegre, em 1939.
Desde 1961, participa de exposições coletivas e individuais.
Em 1962, recebeu medalha de ouro no 19º Salão Paranaense.
E o título de melhor escultor nacional no 3º Salão de Curitiba.

Também em 1962, formou-se em escultura, no IA da UFRGS.
Carlos Tenius recebeu, ali, a orientação de Fernando Corona.
E em 1965, tornou-se auxiliar de ensino daquela instituição.
Lecionou, no IA, nas cadeiras de escultura e modelagem.

Em 1977, Carlos Gustavo Tenius prestou concurso público.
E obteve a vaga de professor assistente no IA da UFRGS.
Foi professor do Instituto de Artes até a década de 1990.

Destaque em Exposições Coletivas:
+ VII Bienal de São Paulo;
+ XII Salão Paulista de Arte Moderna - 2º Prêmio Aquisição;
+ IV Salão Cidade de Porto Alegre, recebeu 1º Prêmio.

Em 2003, Carlos Tenius participou da coletiva "Humanidades".
A exposição ocorreu na Galeria Tina Zappoli, em Porto Alegre.

Adaptado de Acervo de Artes da UFRGS e Wikipedia.

Leonardo Brocker disse...

+++ Carlos Gustavo Tenius: Monumentos +++

Carlos Tenius produziu muitos trabalhos públicos.
Dentre eles, destacam-se as esculturas e os monumentos.
Estas obras estão em Porto Alegre e no interior do Estado.

Entre 1972 e 1975, participou de vários concursos de arte.
Em 1974, Carlos Tenius criou o Monumento aos Açorianos.
A obra fica em frente ao Centro Administrativo do Estado.

O Monumento aos Açorianos é a sua obra mais conhecida.
E homenageia os primeiros casais que povoaram Porto Alegre.
Esta obra já faz parte da cultura do Rio Grande do Sul.

Em 1975, a cidade de Farroupilha propôs um monumento.
Ele homenagearia o centenário da Imigração Italiana no RS.
Tenius a conquistou a primeira colocação naquele concurso.

Em 1979, desenvolveu o monumento do Parcão, em Porto Alegre.
A obra de Carlos Tenius homenageia o Marechal Castelo Branco.

O Monumento à Integração fica na divisa de Canela e Gramado.
E marca a vinda dos presidentes dos países do Cone Sul.
O Cone Sul reúne Argentina, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai.

No monumento, vemos duas figuras humanas em concreto.
De mãos dadas, seguram uma hortênsia (flor símbolo da região).
A obra reforça o sentimento de amizade e parceria de países vizinhos.

Adaptado de Acervo de Artes da UFRGS e Wikipedia.

Leonardo Brocker disse...

+++ Monumento a Castelo Branco +++

O monumento fica no Parque Moinhos de Vento.
Na esquina da Avenida Goethe com a Rua 24 de Outubro.

Além do valor estético, o monumento remete à polêmica que causou.
A obra homenageia o Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco.
A iniciativa de associações comerciais e industriais do Estado.
Três artistas receberam o convite para projetar o monumento.
Xico Stockinger e Vasco Prado recusaram o trabalho.
Os artistas tinham divergências com o regime militar.

Carlos Tenius desenvolveu a gigantesca obra.
Trata-se de um conjunto de três soldados com 28 metros de altura.
A composição deixa de fora as composições aladas.
Estas, uma marca do trabalho do artista.
Afinal, as formas aladas remetem à liberdade.
Um ideal distante da realidade da época.

Observe atentamente o monumento.
Alguns teorizam sobre as bases finas e longas.
Elas demonstrariam a falta de estabilidade dos soldados.
E a distância do povo.

Adaptado do Centro de Informações Turísticas.

Leonardo Brocker disse...

+++ Becos e Ruas da Antiga Porto Alegre +++

Inicialmente, os becos tinham o nome dos moradores.
De peculiaridades do terreno.
Ou das atividades que ali se realizavam:
+ Beco da Ópera (atual Rua Uruguai);
+ Beco do Barbosa (Rua Barros Cassal);
+ Beco do Oitavo (Rua André da Rocha);
+ Beco do Bota Bica (Rua General Portinho);
+ Beco do Poço (Avenida Borges de Medeiros);
+ Beco dos Guaranis (Rua General Vasco Alves);
+ Caminho da Azenha (Avenida João Pessoa);
+ Caminho Novo (Rua Voluntários da Pátria);
+ Rua Clara (Rua João Manoel);
+ Rua da Figueira (Rua Coronel Genuíno);
+ Rua da Ladeira (Rua General Câmara);
+ Rua da Margem do Riacho (Rua João Alfredo);
+ Rua da Olaria (Rua General Lima e Silva);
+ Rua da Passagem (Rua General Salustiano);
+ Rua da Varzinha (Rua Demétrio Ribeiro);
+ Rua de Bragança (Rua Marechal Floriano);
+ Rua do Arvoredo (Rua Fernando Machado).

Fonte: “Viva o Centro a Pé”, Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, 2014.

Leonardo Brocker disse...

+++ Ponte de Pedra +++

Visconde de São Leopoldo construiu a ponte, em 1825.
E contou com o apoio de moradores.
Na época, a ponte era de madeira.
E atravessava o Arroio Dilúvio, na foz, junto ao Guaíba.
A população tratava-a como a ponte do Chico da Azenha.

Em 1846, iniciou a construção da ponte de pedra.
Logo após o término da Revolução Farroupilha.
Na época, retomou-se o desenvolvimento da Rua da Margem.
Que não ultrapassava os limites das fortificações.
Nas imediações do cruzamento da República com João Alfredo.

Em 1848, entregou-se à população a ponte de pedra.
A necessidade veio dos repetidos danos à ponte de madeira.
E às reconstruções que marcaram a curta história da ponte inicial.
A ponte de pedra facilitou a expansão da cidade para a zona sul.

Em 1979, a Prefeitura tombou-a patrimônio de Porto Alegre.

Fonte: “Viva o Centro a Pé”, Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, 2014.

Leonardo Brocker disse...

+++ A Proclamação da República +++

Com a Proclamação da República ocorreram mudanças.
Nos nomes de avenidas, praças e ruas de Porto Alegre.
Seguem exemplos com o antigo nome e o atual:

+ Praça Conde D’Eu, hoje Praça 15 de Novembro;
+ Praça Dom Pedro II, hoje Praça Marechal Deodoro;
+ Rua do Imperador, hoje Rua da República;
+ Rua Dona Isabel, hoje Rua Demétrio Ribeiro;
+ Rua Imperatriz, hoje Rua Venâncio Aires;
+ Rua Imperial, hoje Rua Benjamin Constant.

Também vieram as homenagens aos positivistas:

+ Avenida Assis Brasil;
+ Avenida Borges de Medeiros;
+ Monumento a Júlio de Castilhos;
+ Praça Júlio de Castilhos;
+ Praça Otávio Rocha;
+ Rua Alberto Bins;
+ Rua Júlio de Castilhos;
+ Viaduto Otávio Rocha.

Fonte: “Viva o Centro a Pé”, Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, 2014.

Postar um comentário

 
Free Host | new york lasik surgery | cpa website design