terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Visita ao Museu Dom Diogo de Souza, em Bagé

Na tarde do dia 04/09/12, conheci o Museu Dom Diogo de Souza, a principal instituição cultural de Bagé. Há dois motivos para você visitar o museu. O primeiro é o próprio prédio. Erguido em 1870, ele abrigou por muito tempo a Beneficência Portuguesa. O segundo é o acervo do museu, onde se destaca a história da cidade de Bagé.

Portas de ferro fechadas em frente ao Museu Dom Diogo de Souza, em Bagé.
Museu Dom Diogo de Souza de Portas Fechadas

Continuação de...



Pouco após as 12h passei em frente ao Museu Dom Diogo de Souza. Estava fechado. Segui até a Igreja Matriz. Também estava fechada. Fui almoçar. Retornei ao museu. Novamente o encontrei fechado. Passava das 13h30. Os comerciantes disseram que abriria às 14h. Pouco após as 14h, o museu abriu.


Dom Diogo de Souza e Revolução Farroupilha

A primeira sala, à direita de quem entra, homenageia Dom Diogo de Souza, o fundador de Bagé. Ali há teorias relacionadas à origem do nome da cidade. E no corredor, entre esta sala e a seguinte, há ferros usados para prender os escravos. Já havia visto este tipo de instrumento em outros museus. Sempre impressiona! Criminosos eram tratados com menor crueldade...

Torres da Igreja Matriz de Bagé vistas a partir do Museu Dom Diogo de Souza.
Igreja Matriz Vista do Museu Dom Diogo de Souza

A sala seguinte é dedicada à Revolução Farroupilha. O principal motivador foi o tratamento federal ao charque gaúcho. O governo cobrava altos impostos. E cobrava tributos menores sobre o charque uruguaio e argentino... Na sala, chamaram a atenção as tripontas de ferro. Estas pontas eram usadas para ferir as patas dos cavalos e impedir o avanço da cavalaria.


Presidente Médici e Borges de Medeiros

A sala seguinte contém livros e alguns materiais bibliográficos sobre Bagé. No corredor, escarradeiras de porcelana. E a última sala, na extremidade direita do museu, homenageia o ex-presidente Emílio Garrastazu Médici. Curioso é o fato de ele ter chegado à presidência contra sua vontade. Foram diversas as manifestações neste sentido. No poder, governou com firmeza.

Presidente Emílio Garratazu Médici, natural de Bagé
Presidente Médici, Natural de Bagé

Numa das salas, um busto do ex-governador Borges de Medeiros chamou a minha atenção. Primeiro pelo fato de ele ter nascido em Caçapava do Sul. É uma das cidades pelas quais passaria em minha viagem pelos pampas. Hoje, um lugar sem a importância do passado. Uma outra coisa que chamou minha atenção é que Borges de Medeiros morreu aos 98 anos!


Arte Religiosa no Museu Dom Diogo de Souza

Em frente à entrada do Museu Dom Diogo de Souza, há uma sala com obras de arte religiosa. E chamam a atenção duas imagens de santos, talhadas em madeira. A imagem missioneira "Simbolização da Fé", feita por índios, antes de 1750, fica à direita. À esquerda, um dos "Santos do Pau Oco". Junto a ela, algumas teorias sobre a razão de as imagens serem ocas...

Fachada do Museu Dom Diogo de Souza. Ali funcionava a Beneficência Portuguesa de Bagé. Escadaria leva ao prédio, em cor  salmão e estilo neoclássico.
Museu Dom Diogo de Souza: Antiga
Beneficência Portuguesa de Bagé

Na sala ao lado, também de arte religiosa, o destaque são as telas a óleo do pintor Filastro Ferreira Paes. De um lado, a "Fuga para o Egito". E do outro, a "Sagrada Família". Ambas as telas são de 1888. Perguntei à responsável pelo museu se o artista era de Bagé. Ela não sabia ao certo. Mas acredita que era de fora e suas telas foram trazidas à cidade...


FEB e Forte Santa Tecla

A última sala que passei com calma foi a dedicada à FEB e às revoluções de 23 e de 30. Da Revolução de 23, chamaram a minha atenção a metralhadora e um copo de alumínio. Da FEB, os diversos pertences do soldado bageense Ruy Bianculli Gallo (10/11/26 - 04/02/55). Destacam-se as vitórias brasileiras na campanha da Itália.

Prefeitura Municipal de Bagé
Prefeitura Municipal de Bagé

Rapidamente, passei pelas outras salas do museu. A última do lado esquerdo é dedicada aos médicos bageenses. E a primeira, à esquerda de quem entra no museu, você verá a sala dedicada ao forte espanhol de Santa Tecla. Bagé pertencia ao território espanhol. Quando foi tomada pelos portugueses, estes destruíram o forte, deixando muito pouco para contar história... 


Contabilidade do Dia
Ingresso para o Museu Dom Diogo de Souza = R$ 2,00
Gasto Diário = R$ 2,00

1 comentários:

Alexandre Sune disse...

Olá, uma colaboração à história do autor e das obras de Filastro Ferreira Paes:
Filastro Ferreira Paes, cujo pai veio ao Brasil como cirurgião da corte portuguesa e por aquí ficou, estudou cerca de 10 anos na Escola de Belas Artes do Rio de Janeiro. No museu de arte da mesma cidade há um acervo e eventual mostra do pintor.
Foi pai de Jandira Paes, que casou-se com Feliciano Gonçalves Vieira... sim, da estância do valente que todos conhecemos.
Na antiga capelinha pintou as 12 obras da via sacra. Ouvi dizer que também os afrescos do teto(há que se confirmar a veracidade). Quando a capelinha foi demolida as partes da via sacra foram doadas a alguns dos netos de Filastro Ferreira Paes, sendo que duas delas sei de suas localizações. Mais sobre o artista pode ser pesquisado no catálogo de arte brasileira(4 volumes).
Alexandre Wolf Suñé

Postar um comentário

 
Free Host | new york lasik surgery | cpa website design