terça-feira, 5 de junho de 2012

Embaixadas da França e do Brasil, na Recoleta, em Buenos Aires

Após circularmos pela Plaza de Mayo, contemplando as importantes construções à sua volta, retornamos à Recoleta. Já havíamos conhecido seu famoso cemitério, a basílica e os museus, alguns dias antes. 

O Belo Prédio da Embaixada da França, em Buenos Aires
O Belo Prédio da Embaixada da França

Faltavam, porém, as embaixadas. Na verdade, talvez fosse só uma desculpa para retornar ao bairro mais glamoroso de Buenos Aires. E circular pelas suas ruas contemplando alguns dos mais belos casarões da cidade...

Plaza Carlos Pelegrini, em Frente à Embaixada do Brasil, em Buenos Aires
Plaza Carlos Pelegrini, em Frente à
Embaixada do Brasil

Continuação de...
Monumento a Cristóvão Colombo e Café Tortoni, em Buenos Aires


Caminhando pela Recoleta...

Não há dúvida: a melhor forma de você conhecer uma cidade é caminhando! E se você pretende mergulhar mais a fundo na belle époque argentina, não há opção melhor que caminhar pela Recoleta... 

Plaza Recoleta, em Buenos Aires
Plaza Recoleta, Buenos Aires

O bairro mais elitizado de Buenos Aires concentra também o maior número de palácios da época de ouro da Argentina. Uma época em que Buenos Aires queria ser Paris. E caminhando pela Recoleta, você verá que, ao menos em parte, os argentinos conseguiram. A Recoleta é uma Europa dentro da América Latina... 

Basilica Nuestra Señora de Pilar, na Recoleta, em Buenos Aires
Basilica Nuestra Señora de Pilar, na Recoleta

O táxi que pegamos na Avenida de Mayo deixou-nos na Plaza Recoleta. Esta fica em frente à Basilica Nuestra Señora de Pilar e ao Cemitério da Recoleta. No lado oposto da praça, onde o taxista nos deixou, fica o Bar La Biela, um dos mais tradicionais de Buenos Aires. 

Bar La Biela: Um dos Mais Tradicionais de Buenos Aires
Bar La Biela: Um dos Mais Tradicionais
de Buenos Aires

E na própria praça, vimos mais uma condutora de cachorros. Para quem não havia conseguido fotografar nenhum desses condutores, neste dia conseguimos fotografar dois...

Condutora de Cachorro na Plaza Recoleta, em Buenos Aires
Condutora de Cachorro na Plaza Recoleta


Caminhamos em Direção aos Antigos Palácios...

Como já havíamos visitado o cemitério e a basílica, seguimos para o lado oposto. O lado onde ficam os antigos palácios da elite portenha. Talvez o maior problema seja que muitos desses palácios foram transformados em embaixadas. 

Embaixada do Brasil, na Recoleta, em Buenos Aires
Embaixada do Brasil, na Recoleta

Quer dizer, não dá para chegar, pagar um ingresso e visitar o local de forma despreocupada. De qualquer forma, circulamos pelo local, ao menos para ficar com um gostinho na boca...

Plaza Carlos Pelegrini, na Recoleta, em Buenos Aires
Plaza Carlos Pelegrini, na Recoleta


A Embaixada da França

E após uns poucos minutos de caminhada, chegamos à Embaixada da França. Ela fica localizada em uma construção de esquina, no antigo Palácio... Na esquina, a construção apresenta um formato arredondado, ao invés da junção em quina, formando um ângulo de 90o

Embaixada da França, em Buenos Aires: sem Janelas ao Nível da Rua. E Grandes Janelas no Primeiro Piso.
Embaixada da França:  Sem Janelas ao Nível
da Rua. E 
Grandes Janelas no Primeiro Piso. 

Algo curioso é a ausência de janelas ao nível da rua. No primeiro piso, você verá grandes janelas, todas elas com sacadas à sua frente. No segundo piso, janelas e sacadas são menores. No último, só há pequenas janelas, sem sacada.

Embaixada da França, em Buenos Aires: Formato Arredondado na Esquina
 Embaixada da França: Formato Arredondado
na Esquina


Plaza Carlos Pelegrini

Próximas à Embaixada da França ficam a Plaza Carlos Pelegrini e a Embaixada do Brasil. Na verdade, a Embaixada do Brasil fica à direita da praça. E a da França, seguindo-se em linha reta. Ou seja, é possível fotografar os prédios de ambas as embaixadas a partir da Plaza Carlos Pelegrini.

Buenos Aires: O Bigodudo Carlo Pelegrini Aparece Sentado
O Bigodudo Carlo Pelegrini Aparece Sentado

Nesta muito bem cuidada praça, o centro das atenções é um monumento que retrata o bigodudo Carlos Pelegrini sentado. A mão direita aponta para frente, como se ele estivesse acusando alguém. Ou demonstrando algo: “Viu só...”. A esquerda segura uma lança. O interessante é que a sua imagem foi esculpida em pedra. As outras, que o cercam, em bronze...

Buenos Aires: Carlos Pelegrini, esculpido em pedra. As outras imagens, esculpidas em bronze.
Carlos Pelegrini, esculpido em pedra.
As outras imagens, esculpidas em bronze.
 


Embaixada do Brasil

Enfim, a Embaixada do Brasil! Localizada à direita da Plaza Carlos Pelegrini, ela ocupa o antigo Palácio... Infelizmente, a Embaixada do Brasil é ladeada por prédios mais altos que acabam por “abafar” sua arquitetura. 

Plaza Carlos Pelegrini e Embaixada do Brasil, em Buenos Aires
Plaza Carlos Pelegrini e Embaixada do Brasil

Apesar disso, não é difícil observar algumas semelhanças ao comparar as duas embaixadas. Talvez a mais evidente seja a mesma disposição das janelas. A grande diferença é que a Embaixada do Brasil parece ser construída mais recuada da rua e em um nível mais elevado...

Detalhe da Embaixada do Brasil, em Buenos Aires
Detalhe da Embaixada do Brasil, em Buenos Aires

O relato segue com...
Livraria El Ateneo, Templo e Colégio, em Buenos Aires

28 comentários:

Leonardo Brocker disse...

+++ Avenida de Mayo +++

Primeira avenida de Buenos Aires.
Segue, para muitos, a mais bela e senhorial.
Une a Casa Rosada ao Congresso da Nação.
E por isso, tornou-se uma via cental.

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Leonardo Brocker disse...

+++ Avenida de Mayo, a Grande Via +++

Nos extremos, dois destaques da vida cívica argentina.
A Casa Rosada e o Congresso da Nação.
Por isso, suas dez quadras são a coluna vertebral da cidade.
Desde a origem da Avenida de Mayo, em 1894.
Ela inicia na Plaza de Mayo.
E acaba na Plaza Del Congreso.
No subsolo funciona a primeira linha de metrô da cidade.
A linha A começou a operar em 1913.

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Leonardo Brocker disse...

+++ A Senhorial Avenida de Mayo +++

A inspiração foram os clássicos bulevares parisienses.
Ao longo da avenida, há pontos comerciais tradicionais.
O Café Tortoni, a confeitaria London e o bar Los 36 Billares.
Teatros históricos, como o Avenida.
Hotéis emblemáticos: Astoria, Castelar, Chile e Majestic.
Sem falar nas belas fachadas e cúpulas.
Como o Palácio de Gobierno Porteño.
A Casa de La Cultura, com peça de bronze de 5,5m de altura.
O Palacio Barolo e a Inmobiliaria.
Pode-se ver a cúpula desta da Plaza Del Congreso.

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Leonardo Brocker disse...

+++ Esculturas da Avenida de Mayo +++

Ficam na esquina com a Avenida 9 de Julio.
Ali, estão as estátuas da Sabedoria e da Virtude.
Uma fonte monumental francesa de 1850.
Há ainda o monumento a Dom Quixote.
A rainha Sofia, da Espanha, inaugurou-o, em 1980.
Em comemoração aos 400 anos de fundação da cidade.
Desde mesmo ponto, observam-se dois monumentos.
No sentido norte, fica o Obelisco.
Ao sul, uma gigante instalação dedicada a Eva Perón.
Sobre a fachada do Ministerio de Salud e Desarrollo Social.

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Leonardo Brocker disse...

+++ Café Tortoni +++

Café mais emblemático de Buenos Aires.
Ao qual frequentaram glórias da literatura.
Da pintura, da música e do tango.
Como Gardel, Borges e Cortázar.

Há ainda a atmosfera que rodeia o café histórico.
E o Tortoni tem mais de um século e meio de história.
Ali, o ar portenho evoca o tango, a nostalgia.
E, é claro, o aroma do café.

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Leonardo Brocker disse...

+++ Celebridades no Café Tortoni +++

Touan, imigrante francês, inaugurou-o, em 1858.
E tomou o nome de um reduto parisiense.
Lá, reuniam-se personagens ilustres e ilustrados.

Logo o Café passou às mãos de Celestino Curutchet.
E o Tortoni passou a exercer o magnetismo do par europeu.
Tornou-se um ambiente artístico e intelectual.
Pintores, escritores e músicos eram assíduos.

Dentre os visitantes famosos, podemos citar:
+ Alfonsina Storni;
+ Jorge Luis Borges;
+ Julio Cortázar;
+ Roberto Arlt.

Carlos Gardel foi um frequentador assíduo do Tortoni.
Sentava-se sempre no mesmo local.
Junto a uma janela, à direita do salão.
Ingressava pela entrada da Rua Rivadavia, hoje fechada.

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Leonardo Brocker disse...

+++ Gente de Artes y Letras +++

O pintor Benito Quinquela Martin liderava o grupo.
E solicitou, em 1926, a bodega no subsolo do Café Tortoni.
A ideia era realizar as reuniões no local.
A resposta do proprietário foi positiva.
“Os artistas gastam pouco. Mas dão fama ao café”.

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Leonardo Brocker disse...

+++ Apresentações de Tango no Tortoni +++

Nas paredes, do Café Tortoni podem-se ver quadros.
Dedicados a Juan D’Arienzo, Aníbal Troilo, Edmundo Rivero.
As apresentações ocorriam de segunda a sexta-feira.
Com numerosas opções no final de semana.

Em um salão, havia mesas de bilhar.
O antigo salão hoje se chama “Eladia Bláquez”.
Mas as mesas agora ficam no fundo do corpo principal.
Onde também se pode jogar cartas, dados e dominó

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Leonardo Brocker disse...

+++ Sabores Típicos no Café Tortoni +++

No Tortoni, podem-se resgatar sabores típicos de Buenos Aires.
De antigos pratos que ficaram na memória dos portenhos.
Um deles é o chocolate quente com churros.
Também se pode degustar a tradicional merengada.
O sorvete de leite que acompanha os portenhos há mais de século.
Para beber, a cidra, uma bebida de festas de fim de ano.
No Café Tortoni, esta é uma das especialidades da casa.

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Leonardo Brocker disse...

+++ Livraria El Ateneo Grand Splendid +++

A Ateneo é a segunda mais importante livraria do mundo.
De acordo com eleição do diário britânico The Guardian.
Ela ocupa o prédio do elegante cine-teatro Grand Splendid.
E conserva a cúpula decorada com afrescos.
O antigo palco e o telão.
Além de um estúdio onde Carlos Gardel gravou.

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Leonardo Brocker disse...

+++ Plaza de Mayo +++

É a praça mais importante de Buenos Aires.
O nome homenageia a revolução de independência argentina.
Ela ocorreu em maio de 1810.

Na verdade, a cidade surgiu em torno da praça.
Inicialmente, ela se chamava Plaza Mayor.

No centro da praça, fica a Pirâmide de Mayo.
Trata-se de um ponto de encontro de manifestações.
Ali, reúnem-se as Madres de La Plaza de Mayo.

Fonte: Guia O Viajante – Argentina, Zizo Asnis, 2009.

Leonardo Brocker disse...

+++ Plaza de Mayo: História +++

Local onde Juan de Garay fundou definitivamente a cidade, em 1580.
Em 1810, o local da atual praça foi o cenário da Revolução de Maio.
Em torno dela, surgiram os prédios mais relevantes da vida cívica local.
Muitos deles, ainda existem.
Em 1890, ocorreu o primeiro ato de um partido político organizado.
La Unión Cívica.
A praça nunca mais deixou de ser epicentro das celebrações.
E também dos dissabores da sociedade portenha.

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Leonardo Brocker disse...

+++ Plaza de Mayo: Manifestações +++

É a caixa de ressonância das grandes manifestações populares.
Desde a história e a política.
Até o festejo de Maradona com a Copa do Mundo.
Desde 1977, é o ponto de encontro das Madres de La Plaza de Mayo.

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Leonardo Brocker disse...

+++ Pirâmide de Mayo e Prédios Históricos +++

A Pirâmide de Maio data de 1811.
E comemorou o primeiro ano da Revolução de Maio.
Ainda no século XIX, remodelou-se o monumento.

Ao redor da praça, vemos alguns prédios históricos.
Como a Casa Rosada, a Catedral, o Cabildo e a Legislatura.

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Leonardo Brocker disse...

+++ Plaza de Mayo: General Belgrano +++

Em frente à Casa Rosada, há um monumento equestre.
Ele homenageia o General Manuel Belgrano.
Belgrano nasceu e morreu no bairro.
E é uma das maiores referências da história argentina.
Ele criou a Bandeira Nacional, emblema que ostenta na estátua.

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Leonardo Brocker disse...

+++ Recoleta e Retiro +++

Comunicam-se pelas avenidas Alvear e Del Libertador.
Os bairros caracterizam-se pelo contexto seleto e refinado.
A opulência de muitas edificações coroa este refinamento.
Vemos isso em igrejas, palácios e torres.
E até em um cemitério – um autêntico museu a céu aberto.

As terras altas despertaram o interesse da alta sociedade portenha.
Durante a epidemia de febre amarela, no século XIX.
O temor da enfermidade levou ao êxodo das famílias mais abastadas.
Estas viviam dispersas de sul a norte, pela metrópole.
Isso explica o perfil da área que compreende, hoje, Recoleta e Retiro.
Que passou a ser conhecida como a pequena Paris.

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Leonardo Brocker disse...

+++ Cementerio de la Recoleta +++

A fachada reúne colunas dóricas na entrada da Rua Junín.
Mas são os muros de tijolos vermelhos que cercam o perímetro.
Dentro deles, uma série de imponentes mausoléus.
Em meio a ermas ruas ou a avenidas ladeadas por árvores.

Esta cidade dos mortos tem mais de 46 mil metros quadrados.
E era uma das meninas dos olhos de Tocuato de Alvear.
O leito derradeiro do prefeito modernizador está bem ali.
Próximo ao pórtico de entrada do Cemitério da Recoleta.

Fonte: Guia de Viagem: Argentina - National Geographic, 2010.

Leonardo Brocker disse...

+++ Os Ricos e O Cementerio de la Recoleta +++

Quase todos os sepultados eram ricos.
E tão importante quanto à riqueza era o sobrenome.
Entre eles, há presidentes argentinos.
Como Bartolomé Mitre, Domingo F. Sarmiento e Hipólito Yrigoyen.
Militares, como Guilhermo Brown e Julio Argentino Roca.
Além de artistas e figuras literárias:
Adolfo Bioy Casares, Cândido López, José Hernández, Victória Ocampo.

Fonte: Guia de Viagem: Argentina - National Geographic, 2010.

Leonardo Brocker disse...

+++ O Boxeador e O Cementerio de la Recoleta +++

Luis Angel Firpo (1894-1960), boxeador, tinha origem humilde.
Mas tinha o influente oligarca Félix Bunge como padrinho.
O “touro selvagem dos pampas” quase trucidou Jack Dempsey.
A luta ocorreu no Polo Grounds, em Nova York, em 1923.

Fonte: Guia de Viagem: Argentina - National Geographic, 2010.

Leonardo Brocker disse...

+++ Cementerio de la Recoleta e Evita Perón +++

Ali, sepultou-se, definitivamente, Evita Perón.
Evita nunca escondeu a hostilidade contra a elite argentina.
E sua simples presença envergonha os oligarcas ali enterrados.

Eva era a filha ilegítima e ressentida do fazendeiro Juan Duarte.
Agora, ela compartilha o jazigo com o pai que a renegou.
Uma simples parca marca o derradeiro local de descanso de Evita.

Fonte: Guia de Viagem: Argentina - National Geographic, 2010.

Leonardo Brocker disse...

+++ Histórias do Cementerio de la Recoleta +++

O Cemitério da Recoleta destaca-se pelas esculturas.
E pela qualidade arquitetônica.
Também abriga histórias de amor, paixões e traições.

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Leonardo Brocker disse...

+++ Celebridades no Cementerio de la Recoleta +++

O local converteu-se em monumento histórico.
Dado o valor artístico e a relevância de suas tumbas.
Trata-se de um verdadeiro museu a céu aberto...

Ex-presidentes, heróis nacionais e celebridades descansam ali.
Com destaque à célebre Eva Perón.
Mas outras tumbas despertam singular magnetismo...

Como a de Liliana Crociati.
Ela faleceu aos 26 anos, durante a lua de mel.
A abóboda neogótica reproduz o dormitório da jovem.
Em frente, há uma escultura dela, em bronze.
Com vestido de noiva e acompanhada do mascote.

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Leonardo Brocker disse...

+++ História dos Cemitérios de Buenos Aires +++

Na Buenos Aires antiga, não havia cemitérios.
Sepultavam-se os mortos nas igrejas.
Ou fora da cidade.
Mas o aumento da população exigiu novas medidas.
E em 1822, inaugurou-se o Cementerio Del Norte.
Onde ficava o pomar dos frades recoletos.
O intendente Torcuato de Alvear deu à necrópole atmosfera distinta.
Ao realizar uma série de obras e dotar o local com esculturas.

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Leonardo Brocker disse...

+++ Pórtico do Cementerio de la Recoleta +++

O pórtico serve de acesso principal ao cemitério.
E surgiu quando se ordenou o remodelamento do prédio.
São quatro colunas em estilo grego.
Sobre elas, lê-se “Requiescat in pace” (Descansem em paz).
No lado interno, outra frase.
Esta, atribuída aos mortos:
“Expectamus dominum” (Esperamos o Senhor).

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Leonardo Brocker disse...

+++ Inimigos no Cementerio de la Recoleta +++

Domingo F. Sarmiento e Fagundo Quiroga foram grandes rivais.
Hoje, o ex-presidente e o caudilho dividem a mesma morada.
E os túmulos ficam distantes poucos metros um do outro.

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Leonardo Brocker disse...

+++ Mausoléus do Cementerio de la Recoleta +++

Federico Leloir recebeu o Prêmio Nobel de Química.
Seu mausoléu conta com um coreto.
Que coroa a abóboda e apresenta um Cristo.

Também se destaca o mausoléu de Luís María Campos.
Belas esculturas adornam o sepulcro do tenente coronel.

A mais antiga tumba é também uma das mais singelas.
Ela guarda os restos mortais de Remedios de Escalada.
Esposa do general San Martín.

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Leonardo Brocker disse...

+++ Palácios Suntuosos de Recoleta e Retiro +++

Muitas residências do Retiro testemunham a riqueza.
Da Belle Époque do final do século XIX.
O mesmo acontece na Recoleta.
Isso confere a característica de exclusividade destes bairros.
Com elegantes ruas e avenidas que alimentam esse glamour.

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Leonardo Brocker disse...

++++ Palácios na Recoleta ++++

O Palacio Ortiz Basualdo, desde 1939, abriga a Embaixada da França.
O notável edifício, originalmente, foi uma mansão aristocrática.
Este “hotel particular” pertenceu à família Ortiz Basualdo.

Com projeto de 1912, a construção prolongou-se até 1918.
Em 1925, serviu de residência oficial a um ilustre visitante.
Eduardo de Windsor, Príncipe de Gales, passou uma temporada ali.

Até a primavera de 2014, foi mais de um ano de restauração.
Para o prédio recuperar todo o explendor de suas fachadas.
A entrada principal, os salões de recepção e o mobiliário.

A antiga residência fica a poucos metros de outros palácios.
Como Álzaga Unzué, Casey, Fernández Anchorena e Pareda.
Todos na zona norte da cidade de Buenos Aires.

Para muitos o Palacio Dahau é o expoente máximo de um período.
A residência é o maior representante da Belle Époque portenha.
Um dos últimos exemplos de prédios posteriores ao neoclassicismo.

O Palacio Dahau insere-se no estilo vitoriano tardio.
Com inspiração no castelo de Marais (Ile-de-France).

Palacio Ortiz Basualdo – Calle Cerrito, 1399.
Palacio Dahau – Avenida Alvear, 1661.

Fonte: Buenos Aires a Pie - National Geographic, 2016.

Postar um comentário

 
Free Host | new york lasik surgery | cpa website design